segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Dou graças a Deus por ter cruzado os nossos caminhos

JOSÉ PIMENTEL         11.10.2016

Ao meu Amigo Pedro (c.c. à Minhoca e à Inês)

Hoje, naquele meu jeito frágil e angustiado que tu tão bem conheces, tirei o meu fim de tarde para falar contigo. A verdade, porém, é que não sabia muito bem qual a melhor forma de o fazer e, sobretudo, queria fazer as coisas certas: como tu farias; como tu apreciarias. Decidi escrever-te, tendo a certeza de que, desta feita, mesmo que discordes e tenhas a inclinação para me dar uma reprimenda, ainda que suave e complacente como sempre (pois, penso pertencer a um grupo muito restrito de pessoas a quem tu te permitias, ou achavas que valia a pena, dar uma reprimenda, no meu caso, sempre merecida e construtiva), me ouvirás com atenção.

Tu pertences a uma daquelas combinações muito raras da criação de Deus, certamente que encarnada com o propósito de melhorar o mundo e de servir de exemplo aos seus semelhantes.

És profundamente humano na tua disponibilidade, atenção, compreensão, serenidade e amizade pelo próximo. Profundamente cristão e católico na tua racionalidade de olhar, tentar compreender, agir e aceitar a vida e o mundo. Sempre tentaste transmitir-me a tua fé e certeza do caminho a trilhar, sendo que eu nem sempre fui capaz de te acompanhar. 

És, para mim, um verdadeiro amigo. Alegre, com um sentido de humor apurado e peculiar, sempre atento ao próximo e muito, mesmo muito, perspicaz. Basta vezes, a propósito de falhas ou parvoíces minhas, fiz de ti o meu confidente, sem que tu nunca me tenhas recriminado e aproveitado para me indicar o caminho certo para as reparar ou mitigar. 

Para além de tudo isto, tu és brilhante em tudo aquilo em que te empenhas. Enquanto marido e pai; enquanto discente e docente; enquanto criador, redactor-chefe, editor e articulista do “POVO”: essa original e incomparável newsletter que tu próprio definiste como sendo de, “Artigos, comentários e notícias que correm o risco de não ser notícia na comunicação social que nos rodeia, apesar de incidirem sobre o que mais interessa na vida e a um juízo sobre o que se passa à nossa volta”. Simplesmente genial!

Bem sei que já te deves estar a sentir incomodado com tanto elogio e lamechice, mas hoje, tinha de ser.

Vou sentir muito a falta da tua presença, preocupação, apoio, alegria e amizade, quotidianas. Vou sentir muito a falta da tua,  persistente e lúcida, energia orientadora e inspiradora. 

Dou graças a Deus por ter cruzado os nossos caminhos há cerca de 30 anos. Para mim foi um privilégio conhecer-te e uma honra poder gozar, de perto, da tua amizade. 

Obrigada a Deus e Obrigada a ti Pedro, até sempre.

Zé Pimentel 
Enviar um comentário