Sentidos e Sentimentos

O dia de hoje começou bem cedo após uma noite no Vale d’Acor.
Fora do ambiente normal e com um dia muito preenchido só agora, no comboio a caminho do Porto, tenho oportunidade, que não quero deixar de aproveitar, de escrever para o Povo.
Logo de manhã, li este pensamento do Padre Vasco Pinto de Magalhães sobre Sentidos e Sentimentos e o modo como, se não forem bem “usados” e entendidos nos podem escravizar.
A missão e a experiência da Comunidade Terapêutica do Vale d’Acór ensinam-me pelo testemunho a dimensão da nossa fragilidade e as formas mais dramáticas como nos podemos deixar escravizar à procura de um bem efémero.
Noutras formas menos dramáticas essa é também a minha experiência pessoal em momentos da vida, em que me sinto escravizado por várias formas de bens efémeros, por ídolos que me iludem, fazendo-me confundir a parte com o todo, o momento com a eternidade.
Paradoxalmente o artigo para que também aqui chamo a atenção, refere uma sessão de apresentação do livro “Compreender e curar a homosexualidade” de Richard Cohen em que o autor dá um comovente testemunho da sua anterior vida gay e como é possível, com uma aprendizagem da linguagem dos sentidos como nos diz o Padre Vasco, curar a homossexualidade.
Outra das razões porque não queria acabar o dia de hoje sem escrever para o Povo era para lembrar que amanhã, sábado, é a Jornada de Recolha de Medicamentos em vários concelhos do País e apelar à vossa participação, indo à farmácia mais próxima (que faaça parte da lista) e comprar medicamentos para quem mais precisa.

No próximo dia 17 de Fevereiro, às 21:30 a Apresentação do livro “Na origem da pretensão cristã” pelo Padre Julián Carron, presidente da Fraternidade de Comunhão e Libertação. Marque na sua agenda e ajude a divulgar. Também no Facebook

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência