O dinheiro que move moinhos

Público 2012-02-23 Carlos Fiolhais

Como facilmente verifica quem viaja pelo país fora, a paisagem nacional alterou-se nas últimas duas décadas com a proliferação desses novos moinhos de vento que são os aerogeradores. Em virtude de decisão política, o nosso país chegou em 2011 ao top ten dos países com maior capacidade de produção de energia eólica, uma capacidade que na Europa só fica atrás da da Alemanha, Espanha, Itália, França e Reino Unido. Em 2010 cerca de quinze por cento do nosso consumo de electricidade teve origem eólica, um valor que na Europa só foi batido pela Dinamarca, precursor desse tipo de energia renovável e líder tecnológico na área.
Como o vento é absolutamente gratuito, e como, apesar da carestia da sua construção e instalação, os custos da manutenção dos aerogeradores são bastante reduzidos, poderíamos esperar que o crescimento das eólicas tivesse baixado o custo da energia em nossas casas. Acresce que há outras energias renováveis, que também têm sido alvo de apostas governamentais, como a hídrica (mais importante no nosso mix energético do que a eólica) e a solar (bem menos importante). De facto, os preços que os consumidores domésticos pagam pela electricidade não têm descido: são próximos dos da média europeia, o que significa que, levando em conta o baixo nível dos nossos salários, o custo do quilowatt-hora é entre nós relativamente caro.
A razão principal é a subsidiação. Com a factura da EDP todos pagamos os novos moinhos de vento. As turbinas das eólicas são movidas a subsídios de ajuda à instalação e exploração, fazendo com que o negócio seja de risco nulo para os investidores. Em Portugal, tal como aliás noutros países da Europa, a indústria de produção de energia eólica tem sido extremamente favorecida pelos governantes à custa, claro, dos contribuintes. Os argumentos são os mais variados, embora por vezes falaciosos: a fuga à dependência do petróleo (a nossa dependência do petróleo reside no sector dos transportes e não na electricidade), a constituição de um cluster tecnológico gerador de riqueza (compramos tecnologia aos dinamarqueses, como ainda há pouco aconteceu com a aquisição de turbinas da empresa Vestas daquele país para um parque eólico off-shore, a instalar ao largo da Póvoa do Varzim) e o decréscimo de emissões do dióxido de carbono, um gás produtor de efeito de estufa (este argumento colhe, mas ele também é válido para a energia nuclear). Se é certo que as energias não renováveis, como o gás natural e o carvão, também são, em Portugal e noutros lados, subsidiadas, não é menos verdade que a tendência, aqui e lá fora, é a de diminuir o favorecimento estatal de não renováveis e renováveis, aliviando com isso as dívidas soberanas e deixando actuar os mercados de forma mais livre. Em Espanha já foi anunciado um corte nos subsídios a instalações de renováveis, o que terá consequências em Portugal, já que o mercado da energia não conhece fronteiras (os espanhóis são exportadores enquanto nós somos importadores de energia). Mas a diminuição dos subsídios não significa que o consumidor seja aliviado. Receio que quem vai pagar mais, com a prevista liberalização dos mercados, será, ao contrário do que seria desejável, o já tão espremido zé-povinho.
Eu gosto das energias renováveis. Mas há graves problemas associados às energias eólica, hídrica e solar que se reflectem penosamente nos custos. Analisemos o caso da eólica. Em primeiro lugar, ela é intermitente: o vento sopra quando sopra. Em segundo lugar, os sítios onde sopra mais não são os sítios onde a energia é mais precisa, nem as horas em que sopra mais são as horas a que a energia é mais precisa, pelo que é necessário um bom sistema de transporte de energia - e esse transporte redunda sempre em perdas - e de armazenamento - pode-se, por exemplo, bombear a água de uma barragem à custa de energia eólica para mais tarde abrir as comportas. Uma rede energética que integre bem a eólica com as outras energias é complexa e cara, como mostra o facto de a Dinamarca ter uma das electricidades mais caras do mundo. Para estes problemas têm alertado alguns estudiosos da economia e da energia, entre os quais Henrique Neto, José Veiga Simão, Luís Valente de Oliveira e Miguel Beleza, que divulgaram recentemente um Manifesto por uma Nova Política Energética em Portugal - III. Eles têm, contudo, sido considerados pelos defensores do statu quo e pelos media em geral como um lobby pró-nuclear, o que não é labéu pequeno num país em que o Governo anterior demonizou a opção nuclear a ponto de nem sequer ser lícita a alusão a ela. Devíamos prestar-lhes atenção quando dizem que há um "monstro eléctrico". A engenharia financeira que tem alimentado projectos de energias ditas sustentáveis não é sustentável. A prosseguir o aumento do défice dessa maneira, não veremos luz ao fundo do túnel. Professor universitário (tcarlos@uc.pt)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência