quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Extremistas a ensinarem crianças

MARIA JOÃO MARQUES    11.1.17    OBSERVADOR

Enxotemos as senhoras de meia idade solteiras e sem filhos, que são as ideólogas do PS para as questões de família, e os jovens populares, que também ainda não procriaram, dos programas das crianças.

No ano letivo passado, a criança mais velha, então no quarto ano, teve pela primeira vez História de Portugal. Eu fiquei muito feliz (História sempre foi das minhas disciplinas preferidas e finalmente lá teria alguém em casa mais desperto para as secas que de vez em quando dou sobre este ou aquele pormenor do passado). O petiz saiu da aprendizagem interessado por História (o que diz muito bem da professora), mas de lá do meio do programa algo fez o rapaz ficar baralhado com as misérias do Portugal monárquico e as maravilhas do Portugal republicano.
Por razões misteriosas, ficou convencido que monarquia era sinónimo de ditadura e pobreza. E que a república, em Portugal, havia trazido o melhor dos mundos. Lá tive eu – que sou republicana, mesmo que não diabolize a monarquia (ok, assumo, é impossível resistir a gozar com certos membros de certas famílias reais) – que repor, naquela impressionável e adorável cabeça, a verdade.
Que a pobreza dos tempos monárquicos se devia mais às características secularmente estruturais de Portugal (e que muitas delas persistem hoje, iguais ou ligeiramente travestidas) que ao singelo facto de termos monarcas. Que a Primeira República foi uma rebaldaria indecorosa, com atropelos graves aos direitos e liberdades dos portugueses e de um anticlericalismo radical e dispensável. Que chegou à infâmia de proibir explicitamente o voto feminino, anteriormente possível em circunstâncias estreitas. Que nada faz equivaler ditaduras a monarquias. Que o ditatorial Estado Novo (de resto convidado pela rebaldaria) era um regime republicano. Que vários países europeus ricos e democráticos são monarquias e que a coisa socialista proto-totalitária venezuelana é uma república, bem como todos os totalitarismos comunistas (sendo que estes costumam descambar em monarquias das más, de facto). Etc., etc., etc..
Também lhe disse, claro, que a vantagem da república, se democrática, é manifestarmos a nossa preferência através do voto sobre quem deve ser o chefe de estado, sem estarmos dependentes dos membros de uma família real que, em alguns casos, são indefensáveis. E lá lhe falei dessa inescapável lei da vida: os melhores monarcas são sempre os que foram educados sem a perspetiva de serem monarcas (ou sem serem estragados pela inevitável adulação e mimo que geralmente vêm quando estes caminhos são esperados). Testei-lhe mesmo a paciência com a famosa teoria dos ciclos dinásticos chineses: os primeiros imperadores de uma dinastia eram gente impecável; os últimos uns debochados, reinando sobre uma corte corrupta e viciada, a serem corridos (conselhos de Mêncio) pela populaça devidamente avisada desta necessidade pelos recorrentes terramotos e cheias com que a divindade sinalizava o vício e a incompetência do monarca.
Mas algum conjunto de almas prestimosas no ministério da educação decidiu catequizar as crianças no republicanismo (acrítico) e no anti-monarquismo. Tenho de estar alerta, não vão os entusiasmos com o centenário da revolução russa colocar nos programas dos adolescentes aqui e ali elogios à paz e à prosperidade que o bloco soviético trouxe ao mundo. Daqueles que se liam nos romancistas (e nos cronistas) do lado do Bem (atentar à maiúscula) dos anos oitenta, antes de ficarem escancarados ao mundo o luxo em que vivia a nomemklatura soviética, em contraste com o resto da população austera à força. Ou o bom tratamento às crianças deficientes da Roménia de Ceausescu. Ou as aldrabices que muitas pessoas escreviam.
O pior é que as almas prestimosas do ministério da educação não se contentam com os méritos e deméritos de monarquias e repúblicas. Por estes dias querem intrometer-se até na forma como os adolescentes exprimem as suas inclinações românticas e sexuais uns pelos outros. Já aqui abordei a absurda proposta de apresentar o aborto às crianças do quinto ano – pelo meu filho, declino já tão amável intento – mas há mais, claro. Os ministérios da saúde e da educação pretendem que se fale dos vários tipos de famílias, não vão os petizes crescer com a ideia de normalidade associada a um pai e a uma mãe.
Atenção que sou favorável ao casamento de casais do mesmo sexo e que vejo como claramente preferível a adoção por estes casais à manutenção da institucionalização das crianças. Mas irrita-me em abundância que o ministério da educação se substitua aos pais neste ensino de intimidades – como são as relações familiares e afetivas.
Piora. Estes extremistas progressistas têm companhia: a Juventude Popular lembrou-se de propor a promoção da abstinência nas aulas de Educação Sexual. O que nos faz esconder a cara nas mãos por várias razões.
A. Nem o partido mais à direita consegue sair do espartilho em que a esquerda coloca as discussões políticas. Em vez de vociferar que quem ensina os adolescentes sobre as geometrias das relações sexuais e a idade e circunstâncias em que estas devem começar são os pais, eis que entendem também que o estado deve intrometer-se, mas em sentido contrário, impondo uma visão conservadora radical da sexualidade. B. Como Alexandre Homem Cristo aqui escreveu, o ensino da abstinência como método contracetivo e para evitar doenças sexualmente transmissíveis é muito falível. Os adolescentes não vão acatar as recomendações e não ficam apetrechados para evitar perigos. C. É uma proposta requentada das políticas americanas tão amadas pelos republicanos evangélicos, que geram consequências sórdidas como aqueles juramentos de virgindade até ao casamento feitos pelas filhas aos pais (!).
A educação sexual é fundamental. Deve ensinar as questões biológicas e centrar-se em evitar gravidezes indesejadas e DST. E no resto enxotemos as senhoras de meia idade solteiras e sem filhos (surripio a descrição ao autor e blogger Vítor Cunha), que são as ideólogas do PS para as questões de família, e os jovens populares, que também ainda não procriaram, dos programas das crianças.
Enviar um comentário