Costa e o dilúvio

José Mendonça da Cruz, Corta-fitas  23.09.14 


Costa nunca perde a pena
Nenhum mal lhe cola em cima.

Costa que uma inundação
Aflige no alto momento,
Reage com distracção,
Nem se ocupa do tormento.
Nem a água nem o vento
Ferem o ardor que o anima,
Nenhum mal lhe cola em cima.

Quer voar a um alto posto,
Do que ora ocupa nem cura;
E põe em outrem a culpa dura
em caso de dilúvio e desgosto.
Alheia ao silêncio auto imposto,
Mais a imprensa o ilumina
Nenhum mal lhe cola em cima.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?