A Igreja e o PS

João César das Neves
DESTAK | 30 | 04 | 2009 09.01H

Os bispos portugueses publicaram a 23 de Abril uma Nota Pastoral sobre as próximas eleições, «Direito e dever de votar», onde dizem: «O eleitor cristão não pode trair a sua consciência no acto de votar. Os valores morais radicados na fé não podem separar-se da vida familiar, social e política, mas devem encarnar-se em todas as dimensões da vida humana. As opções políticas dos católicos devem ser tomadas de harmonia com os valores do Evangelho, sendo coerentes com a sua fé vivida na comunidade da Igreja» (n.º 4)

Pela primeira vez na democracia portuguesa, um grande partido apresenta-se às eleições com um projecto abertamente oposto à doutrina da Igreja. Na sua moção "A Força da Mudança", aprovada no XVI Congresso Nacional do PS a 1 de Março de 2009, José Sócrates afirma: «A segunda prioridade na promoção da igualdade é o combate a todas as formas de discriminação e a remoção, na próxima legislatura, das barreiras jurídicas à realização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.» (III 4 F).

Antes disso, o Conselho Permanente da Conferência Episcopal já publicara a 20 de Fevereiro uma Nota Pastoral «Em favor do verdadeiro casamento». Agora os bispos na nova Nota indicam como um dos «critérios que consideramos importantes para escolher quem possa melhor contribuir para a dignificação da pessoa e a realização do bem comum (...) defesa e protecção da instituição familiar, fundada na complementaridade homem mulher» (n.º 4).

Só existe uma conclusão possível disto tudo: os católicos coerentes nas próximas eleições não podem votar no PS.
João César das Neves | naohaalmocosgratis@fcee.ucp.pt

Comentários

Anónimo disse…
A conclusão é óbvia! E é preciso falar claro e sem subterfúgios. Nós, Católicos, não podemos votar no PS.
Esperemos que não tentem agora enganar as pessoas invocando o "católico Guterres" ou o "católico Silva Pereira" ou o "católico Oliveira Martins"...
Veremos do que serão capazes!
Anónimo disse…
Felizmente que no PS (tal como em todos os partidos) existem católicos: fardo pesado que esses homens e mulheres carregam.
Todos devemos cumprir com o nosso dever, inclusivamente, votar com coerência.
NADA COERENTE FOI UMA POPULAÇÃO MAIORITARIAMENTE CATÓLICA TER APROVADO O ABORTO.
E se essa aprovação ocorreu isso deveu-se a este PS e nomeadamente ao seu líder.
Serão os católicos capazes de lhe retirar o voto?
Anónimo disse…
Sim, realmente não consigo perceber como é que referendos e eleições, nos quais quem mais vota na sua maioria é católico, podem ganhar valores que contradizem muitos dos pontos que nós Católicos devíamos seguir. Tal como um dos comentários anteriores pergunta, eu pergunto o mesmo, serão os católicos capazes de retirar o voto a José Sócrates e ao PS???
Anónimo disse…
Nós os catolicos não podemos votar PS, porque isso é o mesmo que dizer que os valores que norteiam os cristãos não são validos e por isso não acreditamos nem aceitamos os valores cristãos. Votar PS é afirmar alto e bom som, que matar bebés é uma acção benemérita e que matar idosos o também é. Votar PS é afirmar que a instituição do casamento é um erro atroz, que tem menos valor que um contracto de arrendamento, por isso o divorcio põe termo a uma coisa que não tem valor, nem tem em consideração os filhos menores.

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?