Mães adolescentes

ISILDA PEGADO
Voz da Verdade, 20151213

1 – A Filomena tinha 15 anos quando decidiu que queria casar com o Alfredo. Ele tinha 18 anos. Se os pais não os deixassem casar, “fugiria com ele”. Ainda esperou 4 meses e, feitos os 16 anos estavam casados. Foi um escândalo para as tias e amigos. Antes dos 17 anos deu à luz a primeira filha. A Filomena e o Alfredo tiveram mais dois filhos, construíram uma vida empresarial de sucesso e hoje são avós (jovens) à espera de um bisneto. Filho da neta que tem 19 anos.

2 – A Teresa tinha 15 anos quando engravidou do Rui e estavam ambos no liceu. A mãe da Teresa nesse ido ano de 1989 “pô-la na rua”. O Rui emigrou e ela foi trabalhar como doméstica na casa de um casal de idosos. O bebé nasceu, e a Teresa tratou sozinha do Paulinho até aos 4 anos. Altura em que conheceu o Mário, com quem casou, e teve mais 3 filhos. A Teresa foi à Bênção das Fitas do filho Paulo e o marido Mário disse-lhe "Não sei se a licenciatura do Paulo em Gestão será tão eficaz como tem sido a tua gestão das nossas empresas…”. Respondeu: “ Eles hoje têm novos saberes, eu aprendi com a vida”.

3 – A Susana estudava num bom colégio de Lisboa quando engravidou aos 16 anos. Várias pessoas a aconselharam a fazer um aborto, tanto mais que já tinha chumbado 2 anos e as notas não eram nada famosas. Resistindo a várias pressões, o António nasceu no final desse ano lectivo. Mais um “ano perdido…”. O António vai fazer 5 anos e a Susana espera o segundo filho. Casou com o pai dos dois filhos, o Daniel e, nestes 4 anos licenciou-se em Psicologia.

4 – A Rute engravidou com 13 anos quando frequentava o 8.º ano de escolaridade. Quando o bebé nasceu foi-lhe retirado porque considerado “criança em perigo”. Dizia-se no processo que a mãe não tinha condições para cuidar do Miguel. Durante 3 anos a Rute correu atrás do filho, de instituição em instituição, de Tribunal em Tribunal. Quando tinha 17 anos e um trabalho (ainda incerto), o Miguel foi-lhe entregue. Durante estes 5 anos zangou-se e, fez as pazes várias vezes, com o pai do filho, o Pedro. O Miguel está hoje na escola, com 8 anos é um excelente aluno e vive com ambos os pais.
5 – A Dra. Joana (de 56 anos) está a dar consulta no gabinete do seu Hospital e perante as dificuldades relatadas pela paciente que tem pela frente diz: “Sabes, minha querida, eu fui mãe aos 17 anos (acabados de fazer), fiz todo o meu curso universitário e de especialista com o meu filho mais velho. Foi ele quem não me deixou fraquejar, quando eu mais precisava. O meu marido várias vezes me disse que era o nosso Rui quem puxava por mim… quantas noites a dar-lhe de mamar e a folhear o livro de anatomia (diz isto com um sorriso nos lábios)…

6 – Hoje a Maria está à procura de casa, porque o bebé vai nascer dentro de dias. A Maria é adolescente e a seu lado está o José. Quem os rodeia, não compreende e por isso afastou-se e até os insultou. Mas eles sabem que as circunstâncias da Vida pedem Um Sim a partir do qual tudo será diferente. Ambos temem com todas as incertezas do Mundo – a situação internacional, as dificuldades do País, o futuro que os espera. Mas têm uma certeza – o Bebé que estão a gerar é um Bem nas suas vidas e para o Mundo. Não estão sozinhos, têm O Filho. Ao ouvir o coração do Bebé bater, o Amor salta-lhes do peito. Este Bebé é a Esperança. Este Bebé é o Mundo Novo.

Jovens mães, gravidez na adolescência, com dificuldades…
Mulheres de sucesso… Mulheres coragem (cor-agem, agem com o coração).
Grande é a condição humana!
Estamos no Advento.

PS – Os 5 primeiros casos têm identidades trocadas.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos