Os ataques a Cavaco

João Marques de Almeida
Observador | 12/6/2014, 12:08
A velha convicção socialista e revolucionária, herdada da I República, de que os socialistas gozam do direito natural à Presidência da República, junta-se ao ódio pessoal como forma de fazer política
Os ataques a Cavaco após as cerimónias do 10 de Junho são muito baixos e deviam envergonhar quem os fez (se ainda lhes sobra alguma vergonha). Um dos grandes mistérios da vida pública portuguesa é a continuidade como líder sindical de uma figura sinistra, sem qualquer pingo de educação e de decência, como o "professor" Nogueira.
Devo dizer que nunca fui um grande entusiasta de Cavaco Silva. As leituras do bom velho "Independente" deixaram marcas. Discordo nalguns pontos importantes da sua combinação ideológica entre social democracia e social conservadorismo. Considero que cometeu erros e não aproveitou oportunidades como Primeiro Ministro. E, talvez o pior de tudo, o "seu" PSD promoveu figuras nada recomendáveis. No entanto, votei muitas vezes em Cavaco e voltaria a votar. Sempre soube distinguir o meu voto das pessoas com quem gostaria de passar um serão agradável e interessante, para recuperar uma velha expressão (além de não dar como adquirido, longe disso, que Cavaco tivesse algum interesse em conversar comigo). A verdade é que aparentemente muitos em Portugal acreditam, sem qualquer pingo de dúvida, que seria um grande privilégio ter a sua companhia para jantar (nalguns casos, um mistério quase tão grande como o do "professor" Nogueira).
Olhando para o percurso político de Cavaco, considero que no essencial esteve correcto. Tem sido um político empenhado no progresso económico e social do nosso país, entende claramente o significado das escolhas fundamentais que foram feitas na década definidora da nossa democracia, entre 1975 e 1985 (e que hoje muitos dos seus inimigos questionam). Além disso, é um político sério e um homem honesto.
Mas há uma razão ainda mais importante por que o devemos defender dos ataques dos seus inimigos mais radicais, pelo menos todos aqueles que são de centro direita e da área não socialista. Há uma estratégia em curso para retirar legitimidade política a futuros presidentes não socialistas. Uma estratégia em que participam activamente, e sem olhar a meios, as extremas esquerdas e os sectores mais radicais do PS, liderados por Mário Soares e José Sócrates. A velha convicção socialista e revolucionária, herdada da I República, de que os socialistas gozam de um direito natural à Presidência da República, junta-se ao ódio pessoal como forma de fazer política.
E, sobretudo, no caso de Mário Soares, o ódio é evidente. O "pai da democracia portuguesa" não consegue esquecer que os seus dois mandatos como Presidente foram durante o "cavaquismo". Ou seja, o seu maior sucesso político durante um período que ficará para a história com o nome do seu maior adversário político. Além disso, ele que nunca ganhou uma maioria absoluta como líder do PS e que nunca terminou uma legislatura como primeiro-ministro, viu Cavaco ganhar duas maiorias absolutas e concluir dois mandatos. Para se vingar, regressou numa candidatura presidencial que constituiu a maior violação do 'espírito' da nossa Constituição, e foi humilhado. Soares nunca perdoará Cavaco e hoje o seu rancor e ódio são proporcionais ao seu ego e à sua vaidade.
Quem acredita no pluralismo político deve defender Cavaco daqueles que hoje atacam o Presidente para destruir a legitimidade das direitas de elegerem no futuro um dos seus para Belém.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?