Férias colossais

Inês Teotónio Pereira
ionline 2014.06.14

Apesar de tradicionalmente as nossas férias grandes serem mesmo grandes, cada vez mais esta realidade é insustentável
As férias de Verão dos nossos filhos são todos os anos de pelo menos três meses. Este ano é igual (até têm mais uma semana) e começam já para a semana. Os meninos são entregues aos pais durante 13 longas semanas para descansarem, divertirem-se e descontraírem. O pior é que os pais estão a trabalhar. Não estão em casa. E é por isso que as férias, que deviam ser um período divertido, descontraído e descansado, são um autêntico pesadelo para os pais. Os pais têm de ser pais a tempo inteiro e ao mesmo tempo têm de trabalhar a esmagadora maioria do tempo. O desafio que temos já para a semana é gigante: o que fazer às nossas crianças de modo que elas não fiquem sozinhas em casa? A questão nem é entretê-los, é saber onde deixá-los e com quem durante três meses seguidos.
Quem tem meios e avós presentes e disponíveis safa-se e encontra facilmente guarida para a criançada. Mas quem não tem deixa as crianças entregues às consolas, à televisão, com o almoço dentro do microondas e o número de telefone dos pais colado no frigorífico para ligar "caso aconteça alguma coisa". Apesar do sol e dos dias longos, estas férias de Verão são três meses de stresse que fazem mais pela "desconciliação" da vida familiar com a vida profissional que uma eventual e irrealista diminuição do período de baixa de maternidade.
Nós não estamos preparados para isto. Dantes até era possível. Dantes os avós viviam ao lado, as mães estavam em casa e a população estudantil era bastante menor. Dantes não se notava a enormidade das férias grandes porque a rua, os vizinhos e o bairro eram um prolongamento da casa e da família e as crianças nunca estavam sozinhas. Era, por isso, possível que as aulas acabassem em Junho e começassem em Outubro que ninguém se queixava e as crianças agradeciam. Apesar de tradicionalmente as nossas férias grandes serem mesmo grandes, cada vez mais esta realidade é insustentável. Cada vez há mais famílias pequenas e por isso as ajudas são mais reduzidas, cada vez mais as mães têm as mesmas responsabilidades profissionais que os pais e por isso menos disponibilidade para estarem com os filhos enquanto os pais trabalham e também são cada vez mais os avós que trabalham ou vivem longe dos netos. O caso é por isso sério.
É sabido que é durante este período que se registam mais casos de negligência ou acidentes com menores. Nem podia ser de outra forma: nem todos têm dinheiro para os campos de férias que proliferam por este país fora ou para pagar a alguém que fique a tomar das crianças enquanto os pais trabalham. Quinze dias, três semanas no máximo, supera-se. Mas comportar tudo isto durante três meses seguidos só está ao alcance de um escalão muito reduzido do IRS.
Além deste problema logístico e das suas consequências muito pouco conciliadoras e seguras, há ainda o problema pedagógico. Dizem-me os professores no final de todos os anos lectivos que os meus filhos não podem parar de trabalhar, que têm de estudar nas férias ou varre-se-lhes toda a matéria e o início do ano lectivo seguinte pode ser doloroso. Compreendo. Mas trabalhar como? Com quem? Quando? É óbvio que três meses chegam e sobram para levarem os cérebros dos nossos filhos a entrar em modo de standby, só não é óbvia a solução do trabalho em tempo de férias tendo em conta que não há professores a acompanhá-los e os pais estão a trabalhar. É por isso que grande parte dos primeiros períodos de aulas são gastos na revisão das matérias do ano anterior e os alunos somam uma colecção de notas baixas. É que o cérebro, assim como a barriga, demora a voltar a estar em forma.
A solução d este grande problema das férias colossais não está na redução das férias (apesar de até se poder considerar), está sim numa maior distribuição das férias e na redução de períodos excessivamente longos de férias. Oito semanas de férias seguidas, no máximo, chegavam. Se queremos conciliar a vida familiar com a vida profissional, o melhor é começarmos por conciliar as férias escolares com a vida profissional dos pais; quando estamos todos a trabalhar a conciliação é bem mais fácil.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência