Patriarca de Lisboa quer que todos encontrem um «sim» nas comunidades da Igreja

D. Manuel Clemente recordou as consequências socioculturais do evangelho para os dias de hoje.

Lisboa, 07 jul (Ecclesia) - D. Manuel Clemente pediu hoje às comunidades cristãs que acolham todas as pessoas e recordou as consequências socioculturais do Evangelho, nomeadamente a dignidade da pessoa humana desde a "conceção à morte natural".
Na homilia da missa de entrada solene no Patriarcado de Lisboa, hoje no Mosteiro dos Jerónimos, D. Manuel Clemente pediu que na diocese se constituam "comunidades de acolhimento e missão".
"E que importante é e será, que nas nossas comunidades todos possam encontrar um "sim" à pessoa que são, mesmo quando não devamos conceder o que imediatamente peçam", disse o patriarca de Lisboa.
Sem adiantar "detalhes programáticos", D. Manuel Clemente disse que "a Igreja de Lisboa seguirá as indicações" saídas do Sínodo dos Bispos sobre a nova evangelização e as propostas da Conferência Episcopal Portuguesa, na Nota Pastoral de 11 de abril último sobre a "renovação da Pastoral da Igreja em Portugal"
D. Manuel Clemente referiu-se depois às "consequências socioculturais do Evangelho", tanto na "concretização comunitária" como na sua "aplicação pastoral", sugerindo a inclusão dos princípios da doutrina social da Igreja "nos percursos da nova evangelização" e na "formação dos cristãos que se empenhem em servir a convivência humana na vida social e política".
"Com a difusão do cristianismo e a sua feliz coincidência com as aspirações de tantas sabedorias e credos, foram pouco a pouco germinando sementes de vida, civilização e cultura de que não podemos abdicar", disse D. Manuel Clemente.
Para o patriarca de Lisboa, é necessário defender "a dignidade da pessoa humana, na variedade enriquecida de raças e povos e sempre protegida e promovida da conceção à morte natural de cada um" para que não se coloque "em risco" a "humanidade".
O bispo de Lisboa defendeu "a verdade familiar, na complentaridade homem-mulher, na geração e educação dos filhos e na entreajuda entre mais novos e mais velhos" e a "distinção entre "Deus e César, que abriu caminho à laicidade positiva das instituições políticas e à liberdade religiosa dos cidadãos".
A entrada na diocese de Lisboa acontece um dia depois de D. Manuel Clemente ter tomado posse como 17º patriarca, este sábado, na Sé da diocesana, sucedendo a D. José Policarpo, que apresentou o pedido de renúncia por limite de idade.
PR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates