O fim da ascendência ocidental?

Público, 2011-04-18  João Carlos Espada
O mais importante factor, diz Ferguson, é que o Ocidente não esqueça as seis condições que fizeram o seu sucesso

Civilization: The West and the Rest é o título do mais recente livro de Niall Ferguson, que serve também de base a uma série do Channel Four. As 355 páginas de texto (excluindo notas e bibliografia) lêem-se de um fôlego, embora proporcionem matéria para mais longa reflexão.

A pergunta de partida de Ferguson reside em saber por que razão, por volta do ano 1500, algumas pequenas comunidades políticas no extremo ocidental do continente euro-asiático iniciaram um percurso que as levaria a dominar o resto do mundo, incluindo as mais populosas e, em muitos aspectos, mais sofisticadas sociedades da euro-ásia oriental, designadamente a China.

A resposta de Ferguson desenvolve-se em torno de seis conjuntos de instituições, bem como das ideias e comportamentos a elas associados, que distinguiram o Ocidente do resto do mundo.

Em primeiro lugar, Ferguson identifica a concorrência, entendida num sentido lato que abrange a descentralização da vida política e económica, criando as condições para o desenvolvimento dos estados-nação e do capitalismo.

Em segundo lugar, a actividade científica e a atitude científica perante o mundo, que, entre outras coisas, permitiram a superioridade militar do Ocidente.

Os direitos de propriedade surgem em terceiro lugar. São o centro do que chamamos primado da lei (rule of law), permitem a experimentação descentralizada e constituem a base do regime representativo a que chamamos democracia liberal.

A medicina surge em quarto lugar, como um ramo específico da actividade científica já citada em segundo lugar. Foi o desenvolvimento da medicina que permitiu a melhoria significativa da saúde e esperança de vida das populações ocidentais e, depois, das populações das suas colónias.

Em quinto lugar, para a surpresa de muitos, surge a sociedade de consumo, com a produção e aquisição de roupas e outros produtos de consumo, sem os quais a (impropriamente) chamada Revolução Industrial não teria ocorrido.

Last but not least, surge a ética do trabalho, que Ferguson atribui ao Cristianismo, sobretudo na sua versão protestante.

Ferguson argumenta que, graças a estes seis conjuntos de instituições, atitudes e ideias, o PIB per capita da Inglaterra em 1600 era já 60% mais elevado do que o chinês. Em 1820, o PIB per capita dos EUA era o dobro do da China; em 1870, era quase cinco vezes mais elevado; em 1913, a relação era já de 10 para 1. Em 1968, o americano médio era 33 vezes mais rico do que o chinês médio, em termos de paridades de poderes de compra. Na base do rendimento médio, a diferença era de setenta para um.

A partir da década de 1950, no entanto, vários países asiáticos começaram a importar premeditadamente as seis instituições ocidentais referidas por Ferguson. O resultado dessa ocidentalização tem produzido resultados extraordinários. O PIB per capita de Singapura é hoje 21% mais elevado do que o dos EUA. O de Hong Kong é igual ao americano, os do Japão e de Taiwan são apenas 25% mais baixos e o da Coreia do Sul 36% mais baixo.

Nem mesmo o obscurantismo comunista de Mao conseguiu impedir a China de observar este fenómeno de ocidentalização dos seus vizinhos e rivais asiáticos. A partir de 1980, inicia-se a corrida chinesa para a ocidentalização, com resultados verdadeiramente impressionantes. Em 26 anos, a China encetou o processo de industrialização mais rápido de sempre, multiplicando o PIB por 10. A Inglaterra tinha levado 70 anos após 1830 a multiplicar o seu PIB por 4.

Segundo cálculos do FMI, a China ultrapassará os 10% do PIB mundial em 2013. Em 2027, ultrapassará o PIB dos EUA, embora isso possa acontecer ainda antes, talvez em 2014 ou 2020.

A pergunta de Ferguson é inevitável: estamos a assistir ao fim da ascendência ocidental que marcou os últimos 500 anos? A resposta é difícil, porque o futuro está aberto, como diria Karl Popper, e muitos factores podem interromper as tendências actuais. O mais importante factor, diz no entanto Ferguson, é que o Ocidente não esqueça as seis condições que fizeram o seu sucesso. Director do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa; titular da cátedra European Parliament/Bronislaw Geremek in European Civilization no Colégio da Europa, Campus de Natolin, Varsóvia

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?