Estado e Igreja na acção social

RR on-line 13-04-2010 08:32

Francisco Sarsfield Cabral



Um estudo da Universidade Católica, divulgado no jornal "Público", revela que o Estado financia quase 60% da acção social das instituições ligadas à Igreja. É certo que metade das instituições nada recebe do Estado.



Mas, globalmente, existe essa dependência do Estado.

Numa primeira reacção, que eu próprio já tive, podemos lamentar que a Igreja Católica não tenha mais autonomia financeira face ao Estado. Mas é irrealista pensar assim.

A Igreja não poderia fazer o que faz em favor dos pobres em Portugal, sejam eles católicos ou não, se contasse apenas com os donativos dos fiéis. E as instituições sociais ligadas à Igreja dão um precioso contributo ao Estado, mesmo quando este financia boa parte da sua actividade.

Essas instituições mobilizam voluntários e pessoas que trabalham por pouco dinheiro. Disponibilizam instalações. E, mais importante, as instituições da Igreja estão no terreno, conhecem as pessoas e os seus problemas.

Por isso, faz sentido o Estado aproveitar estes trunfos, em vez de duplicar o que as instituições da Igreja fazem em favor dos pobres.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência