Orgulho e responsabilidade

RAUL DE ALMEIDA    JORNAL ECONÓMICO  04.07.17

Assinalamos por estes dias a passagem de 150 anos sobre o fim da pena de morte em Portugal. O Decreto assinado por D. Luiz antecedeu em muito as decisões similares que felizmente se foram implementando pela Europa.
Será relevante recordar que a Alemanha Ocidental só aboliu esta prática em 1949, o desenvolvido e democrático Reino Unido em 1965 e a França, intitulada a terra dos direitos, liberdades e garantias, em 1981, com reconecimento constitucional apenas em 2007.
É importante ter presente que países democráticos com vários indíces de desenvolvimento de altíssimo nível, como os Estados Unidos e o Japão, ainda consagram na sua legislação a pena capital.
Não é de estranhar, mas igualmente de lamentar, que a maioria das ditaduras gostou e gosta desta possibilidade de ter o Estado a tirar a vida ao homem por meios legais. Foi assim na Alemanha de Leste, até às vésperas da sua queda, é assim na China, no Irão ou na Arábia Saudita, só a título de exemplo.
Portugal foi, assim, pioneiro, humanista e corajoso. Tal como o foi, desafiando poderes, fortunas e soberania, com a abolição da escravatura. Por muitas desditas que tenhamos desde então passado, temos um património herdado de valorização do homem que nos deve encher de orgulho e responsabilidade. Se me entusiasma, como a qualquer bom português, a narrativa das descobertas e da primeira grande globalização, não deixo de pensar que os legados da abolição da pena de morte e da escravatura têm um alcance muito mais profundo e duradouro. São iniciativas de profundo humanismo ao serviço do homem, em detrimento do eventual conforto do Estado.
Na altura, D. Luiz e os governos do seu reinado não cuidaram de condicionar a sua iniciativa às inclinações europeias sobre a matéria. Não tiveram medo de perturbar alguma paz implícita sobre estes assuntos, muito menos de seguir acriticamente os já então ditos desenvolvidos.
A força moral destes princípios é de tal razão, que nem a alucinação violenta da primeira república ou a repressão das décadas de ditadura ousaram pôr em causa estes princípios sagrados do corpo legal e moral português.
Por isto, também por isto, me entristece profundamente a adesão do Portugal actual, muito distante de um verdadeiro Portugal moderno, à consagração de legislação que contraria precisamente o primado da inviolabilidade da vida humana. A legalização do aborto, a sua promoção e banalização; o equívoco da sua promoção como direito da mulher que acaba como sua vítima, são actos que envegonham um Estado, uma sociedade com os nossos pergaminhos na defesa da vida e da dignidade. A persistência militante dos defensores da eutanásia, constitui-se como um ataque directo a este património moral que se consolida há 150 anos.
Os argumentos dos militantes destas causas de ataque e menorização do valor da vida humana são bem conhecidos. Inchados de vazio, dizem-nos que o aborto se pratica em todo o mundo civilizado e que seria um sinal de atraso Portugal não o oferecer no seu sistema nacional de saúde. Fizeram os referendos necessários até terem a vitória mais negra que poderiamos registar na história. Vêm mais ou menos de mansinho agora com a eutanásia, invocando indignamente uma suposta dignidade na subtracção da vida e, mais uma vez, a necessidade de seguirmos a Europa dita civilizada. Foi preciso deixar passar mais de um século, de viver em Democracia, para pôr em causa princípios que nos fizeram pioneiros na Europa e no mundo.
Pois é, se seguíssemos há 150 anos a Europa dita civilizada, teríamos vergonhosamente a pena de morte por mais um século do que tivemos. Teríamos a escravatura por muito mais tempo. Sacrificaríamos violentamente vidas humanas e seríamos uma sociedade moralmente muito mais pobre. Foi então necessária muita coragem, foi imperioso compreender que nem tudo o que se institui maioritariamente em determinada época é éticamente aceitável ou moralmente digno.
Por fim, os arautos de hoje destas causas fracturantes são, na sua esmagadora maioria, os herdeiros directos do jacobinismo, os mensageiros da revolução que banalizou a guilhotina, os arautos dos direitos que tão bem conviveram com a pena de morte até há tão poucos anos atrás, tão poucos perante os 150 que celebramos.
Era tão bom que soubéssemos manter o carácter que nos fez pioneiros, que a nossa moral não se deixasse abater pelo relativismo que insidiosamente nos vais fazendo deixar de ser quem fomos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência