quarta-feira, 28 de junho de 2017

Costa em festa a seguir à tragédia


MARIA JOÃO MARQUES   OBSERVADOR   28.06.17
Todos têm as suas prioridades e já vimos como, por duas vezes, as catástrofes que assolam as regiões que governa vêm, para Costa, uns degraus abaixo da festa socialista de campanha. Desprezível.
Começo pelo aviso para a saúde: é conveniente por estes dias evitar ler notícias sobre o PS com comida no estômago. Poderá terminar desenvolvendo uma bulimia.
Na segunda feira passada vi, revi e não queria acreditar. Uma semana e dois dias depois de 64 pessoas terem morrido por incompetência e descoordenação absoluta das autoridades e proteção civil, bem como por negligência governativa e falhas de equipamentos, quando há pelo menos doze desaparecidos – aqueles que a ministra Urbano de Sousa diz estarem em ‘paradeiro desconhecido’; calhando, supõe a ministra, viajaram à socapa para a Micronésia e estão divertidos bebericando cocktails num atol paradisíaco -, num momento em que o governo já conhecia a fita do tempo que revelava o caos de dia 17, depois de deixarem as casas dos sobreviventes serem pilhadas por não se assegurar a segurança dos bens dos que perderam quase tudo, havendo pouco apoio psicológico a pessoas com sérias possibilidades de virem a sofrer stress pós traumático, fingindo não ter esclarecimentos a prestar, enfim, no meio de tudo isto, o que faz o PS?
Faz uma festa, com pompa abundante, para anunciar a candidatura a Lisboa de Fernando Medina. Os farsantes – que dias antes se garantiam de coração destroçado, prestes a recusarem-se a sair dos seus quartos e despir o roupão, tão inconsoláveis que não aguentavam perguntas pertinentes e urgentes sobre o que havia falhado e resultado nas mortes – estiveram nesta festarola muito sorridentes e com ar de autossatisfação.
Entre os que de súbito conseguiram curar a tristeza incomensurável por Pedrógão, estava António Costa. Feliz, descontraído, sorridente, autoconvencido. Uma semana e dois dias depois das mortes de Pedrógão. O despautério foi tal que, em vez de autocrítica pública, proferiu autoelogios – referiu a sua magnífica e maravilhosa herança lisboeta.
Até eu me surpreendi com tamanha baixeza e falta de respeito pelos mortos e pelas outras vítimas de há uma semana – os que estão feridos, os que perderam familiares, os que perderam trabalho, bens e poupanças de uma vida.
Mas não devia. Afinal é comportamento reincidente de António Costa. Lembram-se das cheias de Lisboa de 22 de setembro de 2014? As zonas baixas de Lisboa foram varridas por um rio de água. A corrente das ruas da Baixa levou as esplanadas à frente e inundou lojas e restaurantes. Praças de Lisboa transformaram-se em lagos de dimensão capaz de camuflar o Loch Ness. Um caos.
Que fez António Costa, então presidente da Câmara de Lisboa? Ora, monitorizou ao longe as inundações que varriam Lisboa, por telefone. E, nessa noite, estava em festa rija em Coimbra. Eram as eleições primárias do PS. Mais uma vez, António Costa lá estava feliz, sorridente, descontraído, autoconvencido.
Toda a gente tem a sua ordem de prioridades. E já ficámos, por duas vezes, a saber que as catástrofes que assolam as regiões que governa vêm, para António Costa, uns degraus abaixo da festa socialista de campanha. Desprezível.
Mas tiremos mais lições das inundações de Lisboa. Segundo António Costa, as inundações deveram-se exclusivamente à quantidade de chuva que caiu, sem ninguém estar à espera (chovia há dias, depois de um verão seco; e no ano da graça de 2014 já se haviam inventado as previsões meteorológicas). Nunca, jamais, em tempo algum a sarjetas entupidas. A culpa foi singelamente do ‘caudal tão anormal’ que era impossível de escoar. (Digam lá se não bate tudo certo até aqui?)
E consequências das inundações de Lisboa? Nenhumas. António Costa prontamente afirmou não haver solução para cheias futuras da mesma dimensão. (É mentira.) E continuou sossegado na sua caminhada até ao cargo que hoje ocupa.
É certo que em Lisboa não morreram pessoas, pelo que a gravidade foi imensamente menor, logo, também, mais fácil de atirar poeira para olhos lisboetas. Em todo o caso, vislumbramos o mesmo modus operandi. Em vez de responder e esclarecer, Costa culpa a natureza e não assume qualquer responsabilidade política pelos danos. Desvaloriza a tragédia, participando em festas socialistas. A estratégia de comunicação é a grande deusa de Costa.
Desta vez, o primeiro-ministro desapareceu das entrevistas, depois da fraca figura que fez na TVI. Mas a ministra Urbano de Sousa, em vez de acorrer a uma situação ainda não pacificada, dedicou vários dias a entrevistas à comunicação social – a sua prioridade. O DN publicou até uma capa ridícula com a ministra triste, quase fazendo beicinho, tentando angariar simpatias para o governo. A MAI desceu a choramingar que passou os piores momentos da sua vida. (Pobrezinha. Nada se compara à calamidade que se abateu sobre a ministra.)
Depois de Lisboa e Pedrógão, estamos avisados para futuras ocasiões, daquelas no fio da navalha, do comportamento-tipo de António Costa. Em todo o caso, desta vez tivemos uma inovação. O PS, partido do governo politicamente responsável pelo estado falhado que foi Portugal no penúltimo fim de semana, mortos, desaparecidos, feridos e desalojados à mistura, pede a demissão de um provedor da Santa Casa da Misericórdia. É mesmo esta a demissão que se impõe. Não fora pornográfico e seria cómico.
Enviar um comentário