Status destes dias junto da minha mãe


Acordo como todos os dias, atrasada. Visto a criançada, mochilas e distribuição por escola ou terapia, conforme o dia.
Se fica difícil entregar todos a horas deixo uns pelo caminho e passo depois a buscar. Ter uma tânica em casa tem estas coisas boas. Isso e poder comer uma torrada inteira à segunda volta.

Depois venho para casa da minha mãe. O Lourenço, que se mudou para cá agora, fica à espera que eu chegue para sair. Ou o tio. Vemos como está de dores e bem estar e atacamos das melhor forma para maximizar esses dois fatores. Depois orientamos agenda de acordo.

Com tantos amigos e família a ginástica passa por combinar almoços/lanches para que a mãe tenha companhia e veja pessoas diferentes todos os dias. Ajudamos a orientar comes e bebes e ficamos por cá a ajuda-la a gerir emoções e cansaços.

As amigas e amigos que vão e vêm trazem sempre coisas boas. Trazem novas conversas, trazem capacidade de ouvir e há até que se sente ao pé dela a contar historias antes das sestas para ela adormecer embalada.

Às vezes saímos, sendo que mais que 2/3 horas é esticado para a mãe, sempre que podemos aproveitamos o sol, um bom peixe grelhado ou vamos aos afazeres de bancos e médicos.

Trabalho de casa sempre que ela está entretida e sem dores. Tenho uma equipa extraordinária que me ajuda a que isto seja possível e tem a paciência de esperar por mim ou levantar o dedo quando precisam que invista. Às vezes vou a reuniões na minha querida EDP e nessas alturas deixo alinhado com os meus irmãos o plano para que não fique sozinha e tenha a quem pedir o que sozinha pode não conseguir.

Ao fim do dia volto para casa e os miúdos nem percebem que não estou fisicamente no escritório. a minha tanica sabe tudo e tem mais paciência com a minha falta dela.
Apesar de efetivamente trabalhar menos sinto-me 10x mais cansada. Não tenho explicação para isso mas acontece.
Ajudar alguém a viver melhor é sem duvida um privilégio mas é duro quando nos sentimos e somos impotentes a evitar sofrimento.
Começa agora um caminho que terá isso de duro e dias muito difíceis. Continuo agradecida por poder acompanhar e trazer toda a alegria possível a esta fase da vida da minha mãe e nossa.

Sermos uns dos outros significa também isso, e é do melhor que temos nesta vida.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência