Homilia Fatima 13 de Maio 2018

FÁTIMA   13 DE MAIO 2018
Missa da Ascensão do Senhor (At 1,1-11; Ef1,17-23; Mc 16, 15-20)
Caríssimos irmãos e irmãs no Senhor,
acabamos de ouvir a breve narrativa da Ascensão de Jesus, segundo o Evangelho de São Marcos. São Lucas deixou-nos duas narrativas da Ascensão, que apresentam o mesmo acontecimento sob uma luz diferente. No Evangelho, a narrativa constitui quase um canto de glória: o final glorioso da vida pública de Jesus; nos Atos, a Ascensão é vista como um ponto de partida da expansão missionária da Igreja, do Seu Corpo Místico. Esta é também a perspetiva dos evangelhos de Marcos e de Mateus.
A Palavra de Deus, hoje, convida-nos a irmos para além do acontecimento da Ascensão, descrita em termos de tempo e de espaço: ela indica a conclusão de uma etapa da história da salvação e o início de uma outra. Uma etapa em que Jesus, com quem os discípulos “comeram e beberam” juntos, ascende ao Céu, mas a Sua permanência invisível na Igreja continua: permanece connosco não de uma forma visível no seu corpo físico, mas visivelmente no Seu Corpo Místico, em nós, na Igreja. Esta é chamada a continuar a missão e a pregação de Cristo e recebe a tarefa de anunciar o Reino de Deus e de dar testemunho do Senhor. Por isso, os anjos, depois da Ascensão do Senhor Ressuscitado, convidam os apóstolos a não se alongarem a olhar para o céu: o acontecimento que testemunharam não lhes diz respeito apenas a eles. Pelo contrário, dele surge o início do movimento dinâmico universal, “salvífico” e “missionário” que será animado pelo Espírito Santo. A primeira leitura diz: «Ides receber uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria e até aos confins do mundo».
Pela força deste Espírito, Cristo é glorificado e constituído Senhor Universal,Cabeça do Seu Corpo, a Igreja e a humanidade inteira, como a segunda leitura descreve. Atrai a Si todos os seus membros para que possam chegar, com Ele e n’Ele, à vida com o Pai.
Pela força deste Espírito, Cristo é glorificado e constituído Senhor Universal,Cabeça do Seu Corpo, a Igreja e a humanidade inteira, como a segunda leitura descreve. Atrai a Si todos os seus membros para que possam chegar, com Ele e n’Ele, à vida com o Pai.Jesus, com o Seu Espírito, forma em nós uma nova humanidade. Ele próprio nos impele na procura da liberdade, da dignidade, da justiça, da responsabilidade, ou melhor, fortalece o nosso próprio desejo de construir um mundo mais justo e mais unido. Deste modo, a nossa comunidade de crentes, consciente de ter recebido um mandato divino, plena de fervor missionário e de alegria pascal, torna-se no mundo testemunha da nova realidade da vida realizada em Cristo. Esta nova realidade manifesta-se nos pequenos gestos que realizamos nas nossas vidas quotidianas, nas realidades terrestres e nos nossos compromissos de cada dia, que fazemos com o novo Espírito do Senhor. Acima de tudo, quando nos dedicamos à libertação espiritual e à promoção humana dos outros.
A Virgem Maria deu-nos o primeiro exemplo quando, logo depois da Anunciação, se apressou a auxiliar a sua prima Isabel, que estava grávida, e em Caná foi a primeira a aperceber-se da dificuldade dos esposos devido à falta de vinho, tendo apelado a Jesus para intervir.
Recordo pessoalmente o impacto que teve em mim o exemplo dos serviços caritativos dos missionários estrangeiros, quando em criança vivia em Cantão, logo depois do final da Segunda Guerra Mundial. O seu espírito missionário e caritativo suscitou em mim o desejo de os imitar: fizeram nascer em mim a vocação sacerdotal e decidi entrar para o seminário em Macau, pouco antes da minha família se refugiar em Hong Kong.
Santo Agostinho adverte-nos: «Hoje nosso Senhor Jesus Cristo subiu ao Céu. Com ele suba também o nosso coração». Escutemos também o apóstolo Paulo que proclama: «Portanto, já que fostes ressuscitados com Cristo, procurai as coisas do alto, onde está Cristo, sentado à direita de Deus.Aspirai às coisas do alto e não às coisas da terra» (Cl 3, 1-2)
O Concílio Vaticano II ensina-nos: «A expectativa da nova terra não deve, porém, enfraquecer, mas antes ativar a solicitude em ordem a desenvolver esta terra» (Gaudium et spes39).
Com o nosso modo de viver e o nosso exemplo devemos fazer com que Cristo seja visível hoje na nossa sociedade. Como a Virgem Maria, devemos acolher o Espírito Santo e deixá-Loagir em nós: ajudar-nos-á, assim, a levar Cristo ao mundo e o mundo a Cristo. Tornar-nos-á abertos e atentos às necessidades dos outros e a partilharmos o tesouro e a alegria da nossa fé.
Devemos realizar isto a partir desta Eucaristia. A nossa assembleia litúrgica é já testemunho vivo da presença de Cristo Senhor. De facto, ao reunirmo-nos para a Eucaristia, já testemunhamos e anunciamos o Senhor Jesus; Ele está presente na Palavra e na Comunhão, realizando a promessa: «Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos». Da presença do Senhor nasce a responsabilidade e a missão da evangelização.
A liturgia da Palavra recorda-nos o mandamento de Jesus: «Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura». A palavra proclamada suscita no “Credo” a resposta de fé no mistério de Cristo. A Sua presença em nós é uma garantia de que participaremos, com Ele e n’Ele, na união com o Pai. Mais ainda, a realidade sacramental já nos faz hoje saborear antecipadamente essa união. Uma assembleia litúrgica que celebra com sincero compromisso estes aspetos do mistério torna-se um testemunho vivo da ação de Cristo na sua Igreja e da nova humanidade por Ele inaugurada com a Sua Ascensão para junto do Pai.
Juntos com Maria celebremos, pois, com dedicação e devoção esta Eucaristia para nos unirmos a Cristo e recebermos o Seu Espírito e a graça de O testemunharmos quando, ao regressarmos à nossa vida quotidiana, nos comprometermos a partilhar a fé e o amor que o Senhor nos deixou no coração, ascendendo ao Pai.

Cardeal John Tong, Bispo Emérito de Hong Kong

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?