A liderança nas famílias e nas empresas. Procure a grandeza nos que estão à sua volta e em si!

JOSÉ MARRECAS FERREIRA        HTTP://PELAVIADIREITA.COM

Alex Havard

Através de uma pessoa amiga encontrei o texto da conferência “Leadership in The Family Enviroment”, proferida na AESE Business School, pelo professor Alex Havard.
O autor procura reflectir sobre papel dos pais como educadores. É vocacionado para as famílias, sobretudo na educação dos filhos, no entanto muitas das ideias podem ser aplicáveis noutros contextos, nomeadamente na vida profissional.
A partir do artigo deixo algumas notas sobre este tema para pensarmos em conjunto.
O texto está disponível online. A ideia chave proposta é a seguinte:
Para o professor Alex Havard, liderança é educação. Procurar educar solicita um esforço para um individuo que é único.
O relevante neste artigo é a consciência de que a criança deve ter (e os adultos também) das suas forças, das suas maiores qualidades e talentos. Não é bom olhar apenas para as fraquezas e limitações. A humildade é reconhecer o que somos de forma global.
O processo educativo está assim também dependente daquilo que cada um de nós é. De acordo com o temperamento de cada um, com qualidades e os defeitos, com os pontos fortes e fracos, e também com características biológicas…
Por outro lado, enquanto cristãos, distinguir quais as nossas forças e os nossos talentos é significativo, na medida em que representam Dons de Deus. Os talentos funcionam como categorias dadas por Deus.
O papel do educador é assim também o de acompanhar o processo de descoberta dos pontos fortes e dos aspectos em que alguém pode ser melhor.  Para discernir sobre isto o papel dos pais e das pessoas que estão à volta é bastante relevante.
Se na apreciação de um filho, de um aluno, ou mesmo um colaborador for de que é capaz de muito pouca coisa, essa criança, aluno ou colaborador, vai mesmo ser capaz de muito pouca coisa. O problema está no educador e no líder.
Por outro lado, ninguém aprende ou cresce profissionalmente da mesma maneira. Por exemplo, na escola muitos aprendem melhor a ouvir, outros a ler ou ainda a escrever. A forma de crescer deve também ser apreciada considerando o individuo.
O mesmo pode ser aplicado à vida profissional. O ideal é cada empresário ou líder procure retirar de cada cada colaborador o melhor. Para o efeito, é determinante conhecer bem cada elemento com quem trabalha e partir do que aquela pessoa é.
Na família e nas escolas, os pais e os professores devem ajudar na identificação das qualidades individuais e diferenciadoras de cada um.  O mesmo é aplicável, apesar de o ser de forma diversa, na vida vida adulta, quer nas empresas, quer entre as nossas relações sociais mais próximas.
Na minha opinião, todos nós possuímos esferas onde podemos ser bons ou onde podemos ser mais fortes ou melhores. E devemos por essas nossas qualidades ao serviço de todos, o que não depende apenas de nós.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência