Palavras do Papa no Regina Coeli de 14 de Maio, 2017

PAPA FRANCISCO     PRAÇA DE S.PEDRO        14.05.17
Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
Ontem à noite regressei da minha peregrinação a Fátima: saudemos a Virgem de Fátima!
E hoje a nossa oração mariana tem um significado particular, carregado de memória e profecia para aqueles que vêem a história através dos olhos da fé.
Em Fátima, imerso na oração do povo santo fiel, a oração que flui ha cem anos como um rio, para implorar a proteção materna de Maria sobre o mundo.
Demos graças ao Senhor que me concedeu ir aos pés da Virgem Mãe como peregrino de paz e esperança.
Agradeço sinceramente aos bispos, ao bispo de Leiria-Fátima, às autoridades do Estado, ao Presidente da República e a todos aqueles que ofereceram a sua cooperação.
Desde o início, na Capela das Aparições permaneci em silêncio por um longo tempo, acompanhado pelo silêncio orante de todos os peregrinos, criou-se um clima de meditação e contemplação, durante o qual foram se desenvolvendo os vários momentos de oração.
E no centro de tudo estava e está o Senhor ressuscitado, presente entre o seu povo na Palavra e na Eucaristia, e tambem presente entre muitos doentes que são protagonistas da vida litúrgica e pastoral de Fátima, como em todos os santuários marianos.
A Virgem em Fátima escolheu o coração inocente e a simplicidade dos pequenos Francisco, Jacinta e Lúcia, para serem os depositários da sua mensagem. Estas crianças aceitaram-no dignamente, e são reconhecidos como testemunhas confiáveis das aparições, tornando-se modelos de vida cristã.
Com a canonização de Francisco e Jacinta, queria propor a toda a Igreja o seu exemplo de fidelidade a Cristo e testemunho evangélico.
Também queria propor a toda a Igreja que se cuide das crianças.
A sua santidade não é uma consequência das aparições, mas da fidelidade e ardor com que responderam ao privilégio de verem a Virgem Maria.
Após o encontro com “a Bela Senhora”, eles assim A chamavam – muitas vezes eles rezavam o rosário, faziam penitência e ofereciam sacrifícios para o fim da guerra e pelas almas mais necessitadas da sua misericórdia.
Também nos nossos dias, há muita necessidade de oração e penitência para implorar a graça da conversão, para implorar o fim de tantas guerras no mundo enteiro, espalhando-se cada vez mais, assim como o fim de muitos conflitos absurdos – grandes e familiares, pequenos -, que desfiguram a face da humanidade.
Deixemo-nos guiar pela luz vinda de Fátima. Que o Coração Imaculado de Maria seja sempre o nosso refúgio, a nossa consolação e o caminho que nos conduz a Cristo.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”