A Desforra de Sócrates

JOÃO CÉSAR DAS NEVES   DN  04.05.17
No tempo de Sócrates ainda se falava de plano tecnológico e necessidade de crescimento. Agora apenas se referem reposições de benesses e direitos da função pública, como se o dinheiro caísse do céu.
Se não fosse trágico, seria irónico ver um país recair na mesma armadilha em menos de dez anos. O otimismo da conjuntura, com défice e desemprego a cair e a economia a acelerar, são a quase perfeita reprodução da situação de 2007-2008. A grande diferença é a ausência da crise internacional, catástrofe de dimensões históricas que transformou a breve primavera na maior crise do Portugal moderno. Será que desta conseguimos?
De alguma maneira, a situação atual parece constituir a desforra de José Sócrates. O governo maioritário do PS há dez anos parecia ter tudo controlado, quando foi traído pela derrocada financeira global, de que era inocente. Agora António Costa, com o PS maioritário na extrema-esquerda, tem uma segunda oportunidade de cumprir esse desígnio. As condições externas estão indiscutivelmente mais favoráveis, e até devem melhorar, logo que a Europa abandone a austeridade e seja benevolente com o Sul. Será finamente possível cumprir o programa injustamente cortado há dez anos?
Esta tese, que implicitamente fundamenta o executivo, tem um pequeno problema: ignora a verdade da situação. Porque a derrocada de 2008-2009 não se deveu à crise internacional, mas à insustentabilidade da trajetória interna. A perturbação externa foi apenas a faísca que deflagrou a pólvora do nosso desequilíbrio.
O problema que destruiu Sócrates, e mais cedo ou mais tarde derrubará Costa, é a secular doença lusitana. Podemos chamar-lhe a «síndrome do Conde de Abranhos». Hoje, como tantas vezes no passado, larga percentagem da população vive de benesses públicas que a economia não pode pagar. Pensionistas, funcionários, câmaras, construtoras, subsídios, dominam a situação política, para conseguir garantir as suas rendas. O aparelho produtivo acaba espremido pelas exigências das classes não produtivas.
Esta dinâmica, que há 200 anos domina a democracia portuguesa, reproduz hoje a versão de 2007, com apenas duas diferenças importantes. A primeira é que, com o PCP e o BE no poder, a atitude é mais aberta e descarada. No tempo de Sócrates ainda se falava de plano tecnológico e necessidade de crescimento. Agora apenas se referem reposições de benesses e direitos da função pública, como se o dinheiro caísse do céu.
A segunda diferença, muito mais influente, está na fonte usada para os pagamentos. Nos meados da década passada, como nos 15 anos anteriores, ainda era possível alimentar os interesses instalados com dívida externa. Hoje essa via está totalmente fechada, havendo mais a necessidade de liquidar os juros dos longos tempos de ilusão. Apesar desta terrível situação, foi ainda possível imitar a prosperidade através da redução do investimento, público e privado e a poupança em mínimos históricos. Sócrates, como Guterres e Barroso simularam o sucesso, estimulando a conjuntura pelo endividamento. Costa faz o mesmo, comendo o capital.
Assim, a ruína nacional entrou numa nova fase. Mas talvez Sócrates ainda consiga a desforra, se Costa ficar na história ainda pior que ele.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”