Big Brother

RR on-line, 30Mar2009
Raquel Abecasis

A verdade é que esta sociedade dita moderna está transformada num “Big Brother is watching you”, que destrói vidas sem que ninguém se importe com isso. Pelo contrário: com o aplauso geral.

Meio mundo viveu suspenso nos últimos meses da evolução e desfecho dramáticos de uma inglesa, ex-concorrente do “Big Brother”, que resolveu dar o exclusivo da cobertura da evolução da doença, morte e funeral a uma revista e a um canal de televisão.
O mais espantoso é que tal facto não chocou ninguém. Foi, aliás, louvado e considerado um supremo acto de coragem, inclusivamente, pelo Primeiro-ministro britânico.
A doença e a morte são o momento mais dramático e sério da nossa vida e das pessoas que nos rodeiam, o que nos faz viver esses tempos com recato e uma certa tensão para que a vida se cumpra com dignidade junto dos que nos são queridos.
Não terá sido diferente com Jade Goody. Por isso, dá que pensar: que mundo é este que leva uma pessoa a expor-se desta maneira nos momentos finais da vida para, segundo disse, assegurar o futuro dos filhos?
A verdade é que esta sociedade dita moderna está transformada num “Big Brother is watching you”, que destrói vidas sem que ninguém se importe com isso. Pelo contrário: com o aplauso geral.
As sociedades ocidentais, que sempre se consideraram campeãs da liberdade, transformam-se agora nos seus maiores carrascos, porque preferem ceder em todos os valores, em nome da sacrossanta “sociedade sem tabus”, que não verga nem diante da morte

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência