Capitalismo

DESTAK | 12 | 11 | 2009 08.03H

João César das Neves | naohaalmocosgratis@fcee.ucp.pt

Na segunda-feira, 9 de Novembro, celebraram-se os 20 anos da queda do muro de Berlim. Nesse dia, a BBC publicou um vasto inquérito sobre o sistema económico. Os resultados são devastadores: «Só 11 por cento dos inquiridos em 27 países consideram que a economia capitalista funciona correctamente e 51 por cento acham necessária mais regulação e reforma para a corrigir.» (Lusa 2009-11-09 às 12:25). Karl Marx no túmulo deve ter rido. Duas décadas após a suposta morte do seu sistema, o detestado capitalismo encontra-se doente. Na actual crise, muita gente relembra as críticas, se não mesmo as propostas d'O Capital.

Em grande medida, estamos hoje como há 150 anos, antes da intervenção dos reformadores socialistas. O nosso sistema é censurado pela injustiça que gera, pela instabilidade que promove, pela competição que instiga, precisamente as críticas que Karl Marx, com o seu inimitável estilo, arremessou contra a burguesia e a economia mercantil em 1867. Em muitas dimensões os seus diagnósticos mantêm-se válidos. É verdade que evoluímos muito e temos sindicatos, segurança social, regulação, participação dos cidadãos, defesa do consumidor, ambiente, etc. Mas a crise mostrou os erros que se mantêm.

Não há dúvida de que o capitalismo é o pior de todos os sistemas, com excepção de todos os outros. Pode-se aplicar à economia de mercado o mesmo que se diz da democracia. Aliás, pelas mesmas razões. Com o fiasco do sistema de Marx aprendemos que as alternativas ao capitalismo, que pareciam tão promissoras, se revelaram muito piores.

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos