quinta-feira, 26 de novembro de 2009

As faces ocultas

DN 20091126 Maria José Nogueira Pinto

Portugal tornou-se uma gigantesca face oculta. Mudar este estado de coisas é tão difícil como imperativo.

Até parece que a corrupção só agora nos atingiu. Nas últimas semanas, dia após dia, a corrupção ocupou os grandes títulos dos jornais, os rodapés dos noticiários, as ondas das rádios, os jornalistas, os analistas, os comentadores. Pareceu-me estranho, não pelo tema, que é importantíssimo, mas por este ser tratado como algo recente que, de súbito, se tivesse revelado ao desconforto e consternação dos portugueses. E não só os media, pois eu bem oiço a communis opinio cochichar nos bancos do metro, nas cadeiras das esplanadas, nas filas do supermercado e, até, na taberna da minha aldeia.

Este tema vem associado ao mau funcionamento da justiça, que, verdade seja dita, é a corrupção maior. Porque crimes sempre os houve e haverá, mas a certeza da impunidade, a percepção da inutilidade da lei, a descrença nos tribunais, isso, sim, é que não poderia acontecer num Estado de direito.

Há já alguns anos que a corrupção instalada no âmago do regime e do sistema é um dado adquirido. Muitos foram (e são) os casos - embora mais pareça nunca terem acontecido - diluídos numa desproporção duvidosa entre o teor dos mesmos e as consequências visíveis, uma espécie de folhetim inglório. O processo da Casa Pia marcou um antes e um depois, numa justiça que de pouco célere passou a pouco credível. Foi aí, se bem me lembro, que os media - a que coube o mérito de pôr a nu tanta vergonha - não resistiram a impor à justiça um tempo mediático que acabou por substituir o seu tempo próprio, o qual, devendo ser célere, não pode nunca ser precipitado. Instalou-se uma grande promiscuidade, com a violação sistemática do segredo de justiça a alimentar a voragem noticiosa, a que se somaram as prescrições, os erros judiciários, os truques dos advogados e, mais recentemente, ao que consta, as pressões dos poderes políticos e económicos.

Que novidade traz a "Face Oculta", o que revela que não soubéssemos já? Aparentemente, nada. Há muito que a corrupção, o tráfico de influências, o enriquecimento ilícito, o abuso de poder tinham saltado dos clubes de futebol para as empresas públicas e privadas, a banca, os grandes concursos públicos, etc., corroendo o tecido político, social e económico do País. O que se passa agora é como aquela gota que faz transbordar tudo: a insustentável centralidade do primeiro-ministro, que, como tal, não é um cidadão qualquer, tem prerrogativas e responsabilidades acrescidas, não podendo separar um estatuto do outro; a contradança, agora mais frenética, dos agentes da justiça - PGR, Supremo; ideias peregrinas de "espionagem política"; pacotes legislativos a granel.

Esperava eu que na campanha eleitoral esta gigantesca metástase constituísse um tema dominante, que os cidadãos eleitores que detêm o poder de mudar fossem exigentes nas perguntas e nas respostas, nas garantias pedidas aos partidos. E que a comunicação social, na sua função mediadora, tivesse feito eco deste desiderato. Mas a campanha foi um tempo de trivialidades e equívocos, sem escrutínio do que é realmente determinante para o nosso futuro.

É bom dizer que se deve presumir a inocência deste ou daquele, mas não se pode impedir que cada um vá formando um juízo de valor, uma percepção, uma dúvida. Serão culpados, serão responsáveis por negligência ou omissão? Não se sabe nem interessa quando a questão passa a eminentemente política, podendo envolver pessoas que decidem sobre nós e a nossa vida. Que os eleitores tenham mantido Sócrates no poder é, para mim, um mistério. Que a opinião publicada, que agora tanto se indigna, tivesse crucificado Ferreira Leite por lhe faltarem algumas das mais inúteis qualidades para governar, desvalorizando as qualidades que tem e que são raras e decisivas para restabelecer o moral de um país doente, é outro mistério.

Portugal tornou-se uma gigantesca face oculta. Mudar este estado de coisas é tão difícil como imperativo. Quanto mais não seja para continuarmos vivos.

Enviar um comentário