Campanha Banco Alimentar contra a Fome

WWW.BANCOALIMENTAR.PT
- Campanha decorre sob o mote “É bom saber que ainda há desejos que podemos tornar realidade” em mais de 2.000 hiper e supermercados a nível nacional.
- Mais de 40.000 voluntários vão estar ao serviço dos 21 Bancos Alimentares de todo o país.

- 2.645 Instituições apoiadas e, através destas, 420 mil pessoas recebem alimentos.

Os 21 Bancos Alimentares Contra a Fome promovem nos dias 1, 2 e 3 de Dezembro mais uma campanha de Recolha de Alimentos a nível nacional em mais de 2.000 supermercados. Sob o mote É bom saber que ainda há desejos que podemos tornar realidade”,  é lançado um apelo à solidariedade e ao envolvimento de todos os portugueses, para que ajudem quem se encontra em situação de carência alimentar.
Mais de 40.000 voluntários vão oferecer o seu tempo e esforço na ação de recolha que beneficia 420 mil pessoas através de 2.645 instituições de solidariedade. Os Bancos Alimentares contam ainda com o apoio de empresas e entidades, que se associam à causa, disponibilizando equipamentos e serviços, como transportes, publicidade, comunicação, seguros, segurança e alimentação. Uma grande cadeia para ajudar a alimentar quem mais precisa.
A campanha prolonga-se até 10 de Dezembro no canal online em alimentestaideia.pt e com vales disponíveis em supermercados e nos postos de combustível da BP. 
Foi recentemente divulgado o relatório de um estudo conduzido pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica Portuguesa elaborado em parceria com o Banco Alimentar e a ENTRAJUDA disponível para download em anexo.

Sabemos que este ano tem sido particularmente difícil, principalmente para todos quantos estiveram envolvidos nos fogos de verão e outono. Os portugueses têm demonstrado uma enorme generosidade e solidariedade, com numerosos contributos para todas as vítimas.
avança Isabel Jonet, Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, acrescentando ainda que “é muito importante não nos esquecermos que, no dia a dia, ainda há pessoas que precisam de ajuda para comer, principalmente numa altura como o Natal, onde ter a família reunida à volta de uma mesa é um desejo que nos cabe a nós concretizar.”
Em 2016 foram recolhidos quase 26 milhões de quilos de comida, número que, embora elevado, não é suficiente para ajudar todos os que precisam. Num ano em que já se apelou tantas vezes à solidariedade e generosidade do povo português, o Banco Alimentar reforça que uma pequena contribuição como um pacote de leite, massa, arroz, azeite ou um enlatado como feijão, atum ou salsichas, fazem toda a diferença para a instituição e para o quase meio milhão de portugueses que esta ajuda.
O Banco Alimentar divulga também os dados do relatório bianual conduzido pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica Portuguesa, elaborado em parceria com o Banco Alimentar e a ENTRAJUDA, em anexo.
Nas conclusões principal é possível constatar que:
- 63% das famílias apoiadas por instituições de solidariedade social têm um agregado composto por duas a quatro pessoas e 67% das famílias dispõe de rendimentos mensais líquidos inferiores a 500€;
- 48% dos agregados familiares apoiados têm crianças e jovens a cargo;
- em 49% das famílias inquiridas, a pessoa que mais contribui financeiramente para o agregado familiar, não tem mais que o 1º ciclo.
[1] Relatório feito com base numa amostra constituída por 1466 inquéritos válidos representativos dos agregados familiares apoiados por instituições de solidariedade social. Os inquéritos obtidos são provenientes de 165 instituições de solidariedade social, sendo o número de utentes na amostra proporcional ao número de utentes na respetiva NUTII Mais informações sobre a metodologia de recolha de dados podem ser encontradas no relatório do estudo.
Para mais informações sobre a campanha, contacte:Federação Portuguesa dos Bancos Alimentar Contra a Fome
919 000 263

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência