Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2012

Os principais inimigos da segurança social são os seus defensores

OJE, 31/10/12, 00:20
Entrevista a João César das Neves
A segurança social não vai implodir, diz João César das Neves. O economista e professor diz que é relativamente fácil tornar o sistema sustentável, mas este tem grandes inimigos e que são os "defensores da segurança social", que sistematicamente atiraram para cima do sistema várias obrigações que o fragilizaram. No Dia Mundial da Poupança o economista César das Neves afirma que os portugueses começaram a poupar quando o Governo fazia o contrário. Retomaram-se as preocupações com o futuro e a poupança é a forma de garantir a passagem inter-geracional. Critica os que afirmam que a segurança social "morreu", porque esta é sustentável e com facilidade pode ser garantida por dezenas de anos. Defende o ligeiro aumento das contribuições da idade da reforma.
Como vê, neste momento, os portugueses e a poupança?
A poupança é, neste momento, uma das grandes noticias que temos sobre a crise. Estão a acontecer coisas muito impo…

Halloween ou Pão por Deus

Em véspera de Todos-os-Santos, (All Hallows Eve, de onde derivou Halloween) vale a pena pensar no modo como educamos as nossas crianças, cedendo à globalização dos costumes e perdendo em troca a função educativa das nossas tradições. Em Pão por Deus ficamos a saber a história desta antiga tradição portuguesa que nalgumas paróquias foi retomada com um novo e solidário significado Recordo, a propósito posts antigos do Povo onde se reflecte sobre esta descristianização subtil e aparentemente inocente em que vamos caindo, substituindo hábitos cristãos por folias pagãs:
Europa trocou crucifixos por abóboras Cardeal Tarcísio Bertone O Halloween Halloween Aura Miguel Noite das bruxas Aura Miguel Com grande alegria de toda família o Pedro Maria chegou a casa! O avô aproveita para agradecer todas as mensagens de parabéns e todo o cuidado com ele e connosco durante estes dias. Agora é tempo de vê-lo crescer na graça de Deus.

3ª Catequese do Ano da Fé - A Fé da Igreja

Pedro avô e Pedro neto

O medo de verdade

Público 2012-10-31  Miguel Esteves Cardoso Há uma imagem que me dá pesadelos e que me assusta tanto que me custa olhar para ela: é o Perro Semihundido, de Goya. Evite vê-lo, se puder.

O medo é uma coisa fácil de mostrar mas difícil de fixar. O cão semiafogado de Goya, à beira de morrer afogado, tem os olhos abertos a olhar para a massa de água que o vai matar.

Os cães têm medo muitas vezes. Mas este sabe que vai morrer. É este o último momento de vida: a vida suficiente para saber ter medo do que lhe vai acontecer.

Na noite das bruxas brinca-se com os sustos. Os sustos não dão tempo para ter medo. Para ter medo é preciso tempo. É preciso um momento parado, como aquele durante um acidente violento de automóvel, em que o tempo, por crueldade, se alenta, para que possamos contemplar o horror que aí vem, que já não pode ser evitado, que parece fazer render o já ser tarde de mais para fazer qualquer coisa.

Quando se tem mesmo medo, não se consegue fechar os olhos. O cão de Goya tem os ol…

Sandy e Nossa Senhora

Imagem
Nossa Senhora rodeada de destroços provocados pela passagem da tempestade Sandy em Queens, NY. Fotografia do Wall Street Journal

El perro semihundido

Imagem
El Perro semihundido Francsico de Goya (1819-1823) Óleo sobre revoco, trasladado a lienzo 131,5 cm × 79,3 cm Museo del Prado

Pão por Deus

Em Portugal, no dia de Todos-os-Santos as crianças saem à rua e juntam-se em pequenos bandos para pedir o pão-por-deus de porta em porta. As crianças quando pedem o pão-por-deus recitam versos e recebem como oferenda: pão, broas, bolos, romãs e frutos secos, nozes, amêndoas ou castanhas, que colocam dentro dos seus sacos de pano. É também costume em algumas regiões os padrinhos oferecerem um bolo, o Santoro. Em algumas povoações chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’.
Esta tradição teve origem em Lisboa em 1756, 1 ano após o terremoto que destruiu Lisboa em 1º de Novembro de 1755. Nesse evento morreram milhares de pessoas e a população da cidade - na sua maioria pobre - ainda mais pobre ficou.
Como a data do terramoto coincidiu com uma data com significado religioso (1 de Novembro), de forma espontânea, no dia em que se cumpria o primeiro aniversário do terramoto, a população aproveitou a solenidade do dia para desencadear, por toda a cidade, um peditório, com a intenção de minorar…

Vaticano: Papa assinala 500.º aniversário da inauguração do teto da Capela Sistina

Imagem
Santa Sé descarta hipótese de limitar entradas de visitantes que querem ver pinturas de Miguel Ângelo, realizadas entre 1508 e 1512 Cidade do Vaticano, 30 out 2012 (Ecclesia) – Bento XVI vai presidir nesta quarta-feira à celebração da oração de vésperas na Capela Sistina, do Vaticano, para comemorar o 500.º aniversário da inauguração do teto pintado por Miguel Ângelo (1475-1564) entre 1508 e 1512.
A Santa Sé anunciou hoje que a cerimónia vai ter início pelas 18h00 (hora local, menos uma em Lisboa).
A decoração do espaço de 1100 metros quadrados foi confiada ao pintor, escultor e arquiteto italiano por Júlio II, Papa entre 1503 e 1513, que assinalou o final da obra com o rito solene das vésperas de todos os Santos, há 500 anos.
Segundo o jornal do Vaticano, a capela é visitada todos os dias por "10 mil pessoas, com picos de 20 mil nos períodos de máxima afluência turística".
"São pessoas de todas as proveniências, línguas e culturas. De todas as religiões ou de nenhuma&q…

Não tenho de pagar a Fundação Saramago

Henrique Raposo (www.expresso.pt) 7:33 Terça feira, 30 de outubro de 2012 Na semana passada, descobrimos que a Câmara Municipal de Lisboa do genial António Costa vai ficar responsável pelas despesas da genial Fundação Saramago. Ou seja, água, luz e demais coisas comezinhas não cabem na genialidade da Fundação. Os génios, como se sabe, não sabem o que é a conta da luz. Seja como for, este encargo significa mais 50 mil euros por ano. Coisa pouca, diga-se. Nada que se compare à doação da Casa dos Bicos à Fundação Saramago, depois de ter sido devidamente arranjada com obras financiadas pelo erário público. Portanto, bem vistas as coisas, tudo isto acaba por fazer sentido: a CML fez uma espécie de habitação social para um génio, e agora tem de pagar as despesas correntes do génio. E, atenção, as declarações da Presidenta da Fundação também fazem todo o sentido. Pilar del Rio anda por aí a dizer que a democracia está morta, que não há democracia. Tenho de concordar: de facto, não há democrac…

O Pedro Maria chegou a casa!

Imagem

A decadência da Europa

Sol, 30 de Outubro, 2012Jaime Nogueira Pinto
Foi há um século a primeira guerra dos Balcãs: enfrentou uma coligação dos Estados cristãos da região – a Grécia, a Sérvia, a Bulgária e o Montenegro – contra o Império otomano, durou até ao Verão de 1913 e foi logo seguida por outra entre Estados da coligação vencedora – a Grécia e a Sérvia contra a Bulgária. Esta segunda guerra terminou rapidamente com a intervenção da Roménia. Os turcos valeram-se da divisão entre os cristãos para retomarem a iniciativa e recuperar parte dos territórios perdidos.
O pior foi que um ano depois a Europa estava toda na Grande Guerra – o conflito que marcou o princípio do fim do Euromundo e o princípio da decadência do Continente.
A História é assim. A partir da formação da Alemanha Unida, pela estratégia de Bismarck, apoiado no primeiro exército do tempo, a Europa encontrava um novo destino, mas também o princípio do seu fim. Até ali, as potências da periferia geográfica – a Grã-Bretanha e a Rússia – tinham…

O que é a fé? (II)

O que é a Fé? (II)
É também o título da 2.ª catequese sobre o Ano da Fé que hoje foi publicada em português e que podem encontrar aqui. Não foi, seguramente, apenas coincidência, que o título da mensagem do Povo de hoje – preparada ontem – coincide literalmente com o título desta catequese que só hoje conheci e li. Faz hoje também uma semana de vida o Pedro Maria: uma semana de mar alto, mas onde o testemunho dos pais e a experiência pessoal dos avós acerca da fé é magistralmente descrita nestas palavras do Santo Padre nesta 2.ª catequese: A fé oferece-nos precisamente isto: é um entregar-se confiante a um «Tu», que é Deus, o qual me confere uma certeza diversa, mas não menos sólida do que aquela que me deriva do cálculo exacto ou da ciência. A fé não é simples assentimento intelectual do homem a verdades particulares sobre Deus; é um gesto mediante o qual me confio livremente a um Deus que é Pai e que me ama; é adesão a um «Tu» que me dá esperança e confiança. O que é a fé? A atitude human…

O que é a fé?

O que é a fé? A atitude humana que melhor pode descrever a atitude de fé é a da confiança. Ter fé é, no sentido mais básico, confiar em algo ou alguém diferente de nós mesmos. Assim, opõem-se-lhe duas atitudes: a da desconfiança total, que levaria, em muitos casos, ao desespero; ou a da autoconfiança total, ou seja, a da confiança apenas em nós mesmos. Portanto, a fé pressupõe capacidade de confiar e capacidade de confiar noutros. Ler aqui   Um milhão de páginas vistas O Povo passou ontem o nº redondo de 1 000 000 de páginas vistas….. Comunicado FLE - O Custo por Aluno Fernando Adão da Fonseca Um milhão de "pageviews" Poupar e melhorar na educação Alexandre Homem Cristo Frase do dia Luigi Giussani Difícil é fazer bem João César das Neves
Dois textos a não perder
O acontecimento de uma humanidade diferente capaz de despertar o interesse pela fé – Intervenção do Padre Julian Carrón no Sínodo dos Bispos Sinos da Europa - Entrevista ao Papa sobre Cristianismo Europa e futuro por ocasião d…

O ónus da prova

úblico 2012-10-30 Pedro Lomba A miséria a que chegámos provou, mesmo para os mais renitentes à ideia, que não vai ser possível chegar ao fim do acordo com a troika, ou até mesmo ao fim da próxima "fase" do acordo, sem alterar drasticamente as funções do Estado. Há anos que se vem falando em mudar as funções do Estado, sempre com generalidades piedosas e inconsequentes. Agora deixou de haver tempo para a hesitação. Quem quiser renegociar o acordo com a Europa e o FMI está obrigado a pensar no Estado que esse novo acordo comportaria. A urgência inclui aquilo a que se chama funções sociais ou o Estado Social como o conhecemos, e que durante anos temos vindo a defender sem propriamente o definir.

Se renegociar implica esse consenso, também não será fácil atingi-lo. Bem pode Passos Coelho, interessado na "limpeza" do seu Governo, apelar ao PS para a "refundação" do memorando da troika, o que evidentemente significa a refundação do regime e uma revisão constituc…

Doar 20 milhões de euros e receber chuva de críticas

Leonídio Paulo Ferreira DN 2012-10-29
Quando foi a última vez que deu cinco euros a um pobre? Não puxe muito pela memória. A pergunta faz tanto sentido como as críticas ao dono da Zara por ter doado 20 milhões de euros à Cáritas espanhola. É que houve logo vozes que fizeram questão de lembrar que se tratava de 0,05% da fortuna de Amancio Ortega, sacrifício igual ao de cinco euros para um espanhol que tenha um pé de meia de dez mil euros. Outros preferiram denunciar a generosidade do terceiro homem mais rico do mundo como marketing da Inditex, grupo que detém ainda a Massimo Dutti e a Bershka. E a escritora Lucia Etxebarria publicou no Facebook que o magnata arranjou forma de cortar nos impostos.
Ao contrário do seu país, mergulhado na recessão, o ano tem sido excelente para Ortega, milionário de 72 anos que gere a partir da Galiza o maior grupo têxtil mundial. No primeiro semestre os lucros aproximaram-se dos mil milhões de euros, mais 32% do que em 2011, muito graças à inauguração da…

Comunicado FLE - O Custo por Aluno

Imagem
COMUNICADO: O CUSTO POR ALUNO Foi com grande expectativa que o FLE - Fórum para a Liberdade de Educação recebeu o relatório do Tribunal de Contas sobre o "Apuramento do Custo Médio por Aluno" nas escolas Portuguesas. Embora incidindo num único ano lectivo, de 2009/2010, esclarecendo ainda o Tribunal de Contas que o valor apurado não considera diversas rubricas, tais como (i) as despesas de investimento (nomeadamente as da Parque Escolar E.P.E e outras despesas em infra-estruturas), (ii) as despesas do MEC imputáveis à administração, manutenção e gestão das escolas estatais (nomeadamente, com a contratação, gestão, avaliação e formação dos professores) e (iii) algumas despesas das Autarquias Locais, os cálculos apresentados permitem-nos perceber que existem muitas e diversificadas alternativas ao modelo actual em vigência que, sem acréscimo de custos para o Estado, permitirão reformar de forma significativa e determinante o sistema educativo Português.
Os inimigos da liberdade …

Um milhão de "pageviews"

O Povo acabou de ultrapassar o primeiro milhão (1 000 000) de páginas visitadas.
Obrigado aos fiéis leitores

Poupar e melhorar na educação

Alexandre Homem Cristo, i-online 29 Out 2012

Em Portugal, o debate é pouco racional e os conceitos de melhoria e poupança são raramente compatíveis. E a maioria dos portugueses recusa-se a cortar na educação
Quanto custa educar um aluno numa escola pública? A pergunta esteve, há tempos, no centro do debate. Estavam então em causa cortes no financiamento público às escolas com contrato de associação, por ordem de Isabel Alçada. Estimativas, oficiais e não-oficiais, não faltaram. E cada uma coincidente com os interesses de quem as apresentava. Erraram quase todos. Mas pior do que isso foi ter-se reduzido a questão do custo por aluno ao confronto entre escolas estatais e escolas privadas. Por isso, quando os cortes ocorreram, o debate murchou. Acontece que está, sempre esteve, muito mais em causa. Tal como avaliar a gestão dos recursos nas várias escolas do Estado. Ninguém queria saber. E, assim, o custo por aluno manteve-se uma incógnita. Até hoje.
O Tribunal de Contas publicou agora …

Frase do dia

Deus não faz nada ao acaso
L. Giussani  (Qui e Ora. 1984-1985, Milão, Bur, 2009, p. 446

Difícil é fazer bem

DN 2012-10-29 João César das Neves

Vivemos tempos dolorosos, com Portugal enfrentando desafios históricos. São compreensíveis discussões, protes- tos, até tumultos. Apesar disso, alguns extremos verbais de pessoas responsáveis degradam o debate político. Compreende-se a irritação, mas espanta a falta de sensatez e nível democrático. Precisamente porque o momento é doloroso tem de haver recato. "É preciso uma nova revolução, há essa tendência de que é preciso modular isto tudo de novo, mas ninguém pensa que a evolução para essa revolução possa ser pacífica. Esse é o grande temor que existe" (Lusa, 17/Out). Quando o herói do 25 de Abril, coronel Otelo Saraiva de Carvalho, fala em revolução exige-se atenção. Mas a revolução que ele fez há 38 anos implantou a democracia, libertou a sociedade, mudou o regime. Onde estão hoje as terríveis situações paralelas às de 1974? Há presos políticos? Censura? Partidos proibidos? Falta de liberdade? Vivemos, sem dúvida, situação grave, mas a…

O compromisso e as teimosias

Imagem
José Luís Nunes Martins, i-online27 Out 2012 - 03:00
Ser teimoso é um compromisso sério, muito sério, com a estupidez. Perseverar no mal, sem disso desistir, não é sequer conduta digna da inteligência mais rudimentar
Somos o que formos capazes de fazer de nós. Há sonhos e tempos para os fazer reais, sofrimentos a passar em função das metas que se querem alcançar. Uma constante luta entre o que somos e o que podemos ser. Mas há, em toda esta dinâmica um erro que é importante erradicar, sob pena de se desperdiçar tempo e esforço no sentido oposto ao que se devia: a teimosia.
Muitas pessoas se afirmam teimosas, como se a teimosia fosse um defeito que se pode e deve assumir, como se se tratasse apenas de uma forma de perseverança que se professa com modéstia... Não. Ser teimoso é perseverar no sentido errado. É saber-se errando e continuar a seguir pelo mesmo caminho. Outras vezes, o teimoso é o que se recusa simplesmente a analisar e avaliar o que anda a fazer, como se isso fosse uma mer…

Alegria não paga dívidas

Imagem
Inês Teotónio Pereira, i-online 27 Out 2012 - 03:00 |
No nosso mundo alguém que se ria sem razão toma remédios. As pessoas da nossa idade (a partir dos 14) riem-se excepcionalmente
·
As crianças têm pouco sentido de humor. É certo que se riem muito, aliás riem-se por tudo e por nada: basta tapar a cara a um bebé de meses com uma fralda e dizer cu cu que ele desata a rir à gargalhada. É um sentido de humor estranho, mas uma pessoa habitua-se rapidamente (até porque os bebés fartam-se depressa e passam do riso para o choro histérico se insistirmos muito em tapar-lhes a cara mesmo que mudemos de cu cu para ca ca – o que faz mais sentido).
Mas a verdade é que as crianças não têm poder de encaixe, não são sensíveis a metáforas ou a mensagens subliminares e têm pouca subtileza. Além de que não fazem a mínima ideia do que é uma indirecta. No mundo delas é tudo brutalmente directo. Uma piada é explícita, não é soft.
Há muito poucas anedotas, além das protagonizadas pelo menino Joãozinho, que f…

Esperteza e sabedoria

"Aproveitar-se" e "tirar proveito" não são bem a mesma coisa. Uma coisa é a esperteza de ficar por cima e de estar atento às ocasiões para ganhar e ficar bem visto. Outra coisa é saber crescer, isto é, tirar proveito de tudo o que acontece, mesmo das coisas dolorosas e injustas. Uma coisa é esperteza, outra é sabedoria.
NÃO HÁ SOLUÇÕES, HÁ CAMINHOS
365 vezes por ano não perguntes porquê, mas para quê
Vasco P. Magalhães, sj

Edições Tenacitas
www.tenacitas.pt
http://www.facebook.com/edicoes.tenacitas

Pode haver esperança depois dos tempos sombrios?

Público 2012-10-26 José Manuel Fernandes Estamos num tempo em que o relógio da História começou a rodar ao contrário e não sabemos como lidar com as novas realidades
Há dias em que uma pessoa nem acredita no que ouve. Então não é que Jorge Sampaio, numa das muitas entrevistas que deu a propósito do lançamento da sua biografia, decidiu considerar que a sua inoportuna e lamentável frase sobre haver vida para além do défice era hoje mais actual do que nunca? Compreende-se que uma adolescente como a que beijou o polícia no 15 de Setembro faça declarações a lamentar a existência de dinheiro, escusando-se a explicar, por exemplo, sobre que critério seguiria para trocar laranjas por umas sandálias novas. Já se compreende pior que um antigo Presidente da República insista numa boutade politicamente explosiva que muito ajudou a estragar o debate político e a permitir que nos enfiassem no poço negro onde hoje desesperamos. Bem sei que é de bom tom, em certos sectores da esquerda lunática, duvida…

Amigos

Li, também hoje, esta frase de Henry Nowen, que nos ajuda a ajudar
Os amigos que conseguem estar em silêncio connosco num momento de aflição e confusão, que conseguem estar connosco numa hora de dor e angústia, que conseguem tolerar não saber, não curar e encarar connosco a realidade da nossa impotência, esses são os amigos verdadeiros Henri Nouwen The Road to day break: a spiritual journey Destaques de hojeBalança de Pagamentos com excedente de € 750 milhõ... Tavares Moreira Não é fácil ouvir estas boas notícias nos jornais. Porque será?
O dia D João César das Neves argumenta aqui que o dia deste período recente que será lembrado é o dia do Acórdão do Tribunal Constitucional que considerou inconstitucional as medidas indicadas e criou as condições para este "enorme" aumento de impostos
Impostos e taxas em 2013 para uma família da class... Um exercício fiscal para 2013 por António Bagão Félix
Homens e bichos Pedro Vaz Patto ….não pode deixar de se sublinhar o contraste entre,…

O que pedis para o vosso filho?

Imagem
O Pedro Maria foi baptizado ontem de manhã. Quando ouvi o Padre Luís Miguel perguntar `"O que pedis para o vosso filho?" ouvi com determinação uma resposta surpreendente. Seria de esperar pedir saúde, que a vida lhe corra bem, mas não. O que a Inês e o Gonçalo pediram, foi o baptismo. Com o baptismo restituímos a Deus o que veio d'Ele. Passa a pousar no Pedro Maria a complacência de Deus. Relembro a homilia do Papa no dia do Baptismo do Senhor de há uns anos como aprofundamento da consciência desta adopção divina. Como dizia há dois dias (Ser avô) a fé dos pais dos nossos netos é um testemunho e uma educação para os avós.


Pagar a colégios fica 400 euros mais barato ao Estado

DN 2012.10.26
Relatório sobre custo anual da educação por aluno defende continuidade dos contratos de associação com o ensino particular e cooperativo 4921,44 euros anuais em 2009/10, mais 399,44 euros do que os 4522 pagos pelo mesmo serviço contratado a um colégio privado com contrato de associação. Valores que, defendeu ontem a Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo (AEEP), significam que o Estado terá poupado 21 milhões de euros com estes vínculos. Os números constam do relatório "Apuramento do Custo Médio por Aluno", do Tribunal de Contas (TdC), onde o Governo é aconselhado a melhorar e introduzir "planos oficiais de contabilidade" nas escolas mas também a "ponderar a necessidade de manutenção dos contratos de associação no âmbito da reorganização curricular". Nestes números, que agradarão mais aos que defendem a maior eficácia destes colégios, não se considera o 1.º ciclo, porque não existe qualquer contrato de associação …

O que eu faria com os 336 mil euros de Catarina Furtado

Henrique Raposo (www.expresso.pt) 7:42 Quinta feira, 25 de outubro de 2012 Devido à fraca qualidade do autor do costume, a gerência de "A Tempo e a Desmodo" abriu uma nova secção: os convidados. O convidado desta semana é Alexandre Borges, guionista, autor da série documental "Os Santos de Portugal". Fará algum sentido, em qualquer momento, mas particularmente neste, que o contribuinte pague mais ao apresentador de "O Preço Certo Em Euros" do que ao primeiro-ministro? Será, digam-me, mais difícil apresentar a "Praça da Alegria" do que ser ministro das Finanças, entalado entre a troika e as manifs? E Catarina Furtado - pelo que diz a imprensa, a apresentadora mais bem paga da RTP - aceitou uma redução salarial de 20% em Junho. Significa isso que vai passar de 30 mil para 24 mil euros mensais. (Respiremos fundo.) Não está em causa se Catarina merece tal ordenado (tive o grato prazer de trabalhar com ela e posso, caro leitor, atestar do seu profissio…

Balança de Pagamentos com excedente de € 750 milhões até Agosto, quem diria?!

Quarta república, 2012-10-25 Tavares Moreira
1. Segundo o Boletim Estatístico do BdeP, esta semana divulgado, a Balança de Pagamentos com o exterior apresentou, no período Jan-Agosto, um EXCEDENTE de € 750 milhões.
2. Este excedente é o resultado de um défice da Balança Corrente (- € 1.733 milhões) e de um superavit na Balança de Capital (+ € 2.483 milhões), este último proveniente de transferências de capital da EU.
3. Note-se que o défice da Balança Corrente é consequência da elevada factura de juros pagos ao exterior, causados pelo endividamento da economia portuguesa e que pesam na rubrica de Rendimentos, a qual apresenta um défice elevado (- € 4.770 milhões) – enquanto que as rubricas de Bens e de Serviços, em conjunto, apresentam já um superavit de € 315 milhões, pela 1ª vez desde há mais de 15 anos!

4. Esta evolução é tanto mais notável quanto é certo que o mesmo saldo da Balança de Pagamentos, agora positivo como referido em 1, apresentou no último triénio os seguintes valores:

- Em…