A Magia do Natal

P. GONÇALO PORTOCARRERO DE ALMADA     VOZ DA VERDADE   15.12.2019

Não há publicidade natalícia que não fale de ‘magia’. A palavra não tem nada de ofensivo, mas tende a transportar o nascimento de Cristo para um reino lendário, que é o cenário mitológico das coisas ‘mágicas’.

Do mesmo modo como os contos infantis estão cheios de princesas boazinhas e bruxas más, feitiços e amores impossíveis, maçãs envenenadas e varinhas mágicas, belas adormecidas e galãs cavaleiros, dragões fantasmagóricos e duendes saltitões, assim também o nascimento de Jesus mais não seria de que uma lenda piedosamente alimentada pelos cristãos, mas sem qualquer relação com a realidade histórica.

É verdade que a imaginação popular acrescentou algumas personagens ao relato bíblico do nascimento de Jesus de Nazaré. Imaginou a presença, por certo muito razoável, da vaca e do burro: a primeira, como inquilina habitual daquele estábulo; e o jumento, como provável meio de transporte utilizado por Maria e José, na sua longa viagem de Nazaré da Galileia até Belém de Judá. Foi também a fé do povo que fixou em três o número dos magos e lhes deu nomes próprios – Gaspar, Baltazar e Melchior – aos quais atribuiu a dignidade real, quando o relato bíblico se limita a registar a sua presença plural e os seus três dons, sem especificar o seu número, nem lhes atribuir a condição real. A tradição cristã também preencheu uma outra lacuna dos relatos evangélicos, supondo a data do nascimento de Cristo no dia 25 de Dezembro, muito embora não haja, nas Sagradas Escrituras, nenhum indício que permita sustentar a veracidade desta hipótese, afinal tão verosímil como outra qualquer.

Que não se saiba tudo acerca do nascimento de Cristo, não quer dizer que nada se saiba sobre um acontecimento de tanta transcendência para a história mundial e, em particular, para o Cristianismo. Com efeito, sabe-se que Jesus, filho de Maria, casada com José, habitantes de Nazaré, nasceu em Belém de Judá, no tempo do rei Herodes. Sabe-se igualmente que foi homenageado pelos pastores, que acampavam nas redondezas, e por uns magos, vindos do Oriente, que possivelmente eram sacerdotes-astrólogos, talvez persas.  

Sabe-se também que, antes do nascimento de Cristo, não houve nenhuma ‘magia’. Houve, é certo, alguns acontecimentos sobrenaturais, mas não mágicos: Maria, sendo virgem e não conhecendo varão, concebeu virginalmente a Jesus, que é o Filho unigénito de Deus. Muito embora a concepção tenha sido absolutamente extraordinária, a gestação decorreu com naturalidade e por isso, a Igreja celebra o nascimento de Cristo nove meses depois da sua concepção. Também foi extraordinária a forma como Isabel, mãe de João Baptista, se apercebeu, por inspiração do seu filho ainda não-nascido, não apenas da gravidez, na altura ainda imperceptível, de Nossa Senhora, mas também de que o seu filho era o Senhor, ou seja, o tão esperado Messias de Israel.

Nenhuma ‘magia’ houve também na iminência do nascimento de Cristo. Não conseguiram, por nenhuma palavra mágica, como um qualquer ‘abracadabra’, abrir as portas das casas de Belém, nem da estalagem local, que se lhes fecharam, com brutal insensibilidade ante o estado de Maria. Também não vão ter a nenhuma gruta encantada, nem são transportados por anjos, ou quaisquer outros seres lendários, no seu penoso caminho para o exílio, no Egipto.

Não, no Natal não há nenhuma ‘magia’, na beleza encantadora desta cena histórica, que o Papa Francisco, em belíssimo texto, nos convida a contemplar. Não há dragões que cospem fogo, nem fadas madrinhas que convertem abóboras em carruagens reais. Não há tamancos convertidos em sapatos de gala para bailes no palácio real.  Não há animais alados que transportam heróis nas suas asas. Não há palavras, poções ou varinhas mágicas que, num instante, convertem as dificuldades em ruidosas festas e bailes.

Há apenas Deus, no seu propósito de a todos salvar, e um jovem casal apaixonado, com o seu filho recém-nascido. Há a indiferença dos habitantes de Belém, desde os parentes e amigos de José, até aos estalajadeiros. Há o silêncio e o frio da noite estrelada. Há o alegre trotar de um burrinho cansado, montado por Maria e levado, pela arreata, por José. Há dificuldades e perseguições, há temores e preocupações, esperas e desatenções, mas nunca falta o auxílio da providência divina, nem a alegria e o amor de Nossa Senhora e do Santo Patriarca.

‘Magia’ do Natal? Nenhuma, decerto. Mas quanta graça de Deus e quanto amor humano no mistério do nascimento de Jesus, filho de Maria, esposa de José!

Santo Natal!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência