Quero, posso e mando. Chamo-me Soares. João Soares

José Manuel Fernandes
Público, 2016.03.01

António Lamas tinha um projecto para a zona monumental de Belém-Ajuda. Tinha ideias, ambição e capacidade de gestão. João Soares não tem nada disso. Nem dinheiro. Só despeito, amiguismo e má-criação.

Maio de 2008. Mega Ferreira, então presidente do CCB, confessa-nos numa entrevista que, ao avistar do janela do seu gabinete as filas de turistas que se formavam para entrar nos Jerónimos, se lembrou de criar um programa de Verão pensando já que, “tendo ali o público, se podia pensar não apenas em levar os turistas a visitar aquele monumento, mas a passar o dia na zona de Belém e tendo actividades complementares”.
Na mesma altura, Maio de 2006, António Lamas estava no seu segundo ano como presidente da administração da Parques de Sintra Monte da Lua. Em 2006, quando recebera a empresa esta acumulava prejuízos e dívidas e pouco fizera pelo magnífico património de Sintra e da sua serra.
Oito anos depois, em 2014, António Lamas muda-se de Sintra para Lisboa, onde passa a presidir ao Centro Cultural de Belém. Nesse período de tempo pouco acontecera em toda essa zona da capital – ou melhor, acontecera apenas o enorme e faraónico disparate do novo Museu dos Coches. Mas os parques de Sintra tinham-se transfigurado.
Moro na serra de Sintra, percorri a serra ainda criança, quando fui estudante universitário andei livremente a recolher amostras no interior do que então eram as ruínas de alguns dos seus palácios. Céptico por natureza, olhei com alguma desconfiança para a ambição de António Lamas, mas vi com os meus olhos a serra e os seus monumentos a transfigurarem-se durante o seu mandato. Onde estavam ruínas, como em Monserrate ou no Chalet da Condessa de Elba, estão hoje monumentos restaurados com exemplar cuidado. Os parques, que estavam ao abandono, são hoje jardins tratados, porventura melhor do que no tempo em que os reis ali passavam os seus verões. As obras de restauro e recuperação beneficiaram também o Castelo dos Mouros, o Convento dos Capuchos, o Palácio da Vila e, claro, a jóia da coroa, o Palácio da Pena. Os muros que estavam derrubados há décadas foram reerguidos. O turismo foi ordenado. Um inteligente sistema de bilhética faz com que quem aqui chega visite sempre mais do que um monumento – e nunca falta, mesmo nestes dias chuvosos e frios de Inverno, quem se acumule junto aos portões de entrada, esperando que abram. A receita foi multiplicada várias vezes, os lucros reinvestidos, o modelo de gestão acabou também por se alargar ao Palácio de Queluz.
Conhecia António Lamas desde o tempo em que, no então IPPC, promoveu a recuperação de alguns dos principais museus nacionais, como o Grão Vasco de Viseu, o Abade de Baçal de Bragança ou o Soares dos Reis do Porto, um processo a que historiadora Raquel Henriques da Silva considerou ser “o mais extraordinário período de obras de requalificação dos museus portugueses de todo o século XX”. Acompanhei, como jornalista, a forma como pensou e promoveu o projecto do CCB. Vi-o, mais tarde, ocupar outros lugares públicos de relevo, como presidente da antiga Junta Autónoma das Estradas, no tempo de João Cravinho.
Foi, por isso, com natural expectativa que vi a sua nomeação, em 2014, para a presidência do CCB (e, ao mesmo tempo, confesso que com receio de que o seu sucessor em Sintra pudesse estragar o que tão bem estava a ser feito). Sabia que ele tinha um sonho, um projecto e uma determinação: conceber para a zona de Belém e da Ajuda um projecto semelhante ao de Sintra – um projecto bem mais ambicioso que uns concertos para turistas como os imaginados por Mega Ferreira ao olhar para a porta dos Jerónimos.
Não conheço os detalhes do que estava a ser imaginado e projectado, mas sei duas coisas: primeiro, que faz todo o sentido pensar em conjunto a área monumental mais visitada do país e que compreende monumentos e equipamentos tão importantes como o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos, o Palácio Nacional da Ajuda, museus como o dos Coches, o de Arqueologia, o da Marinha e o Etnografia, e ainda jardins como o Tropical e o Botânico da Ajuda; segundo, que no desenvolvimento deste projecto o próprio António Lamas teve reuniões com a vereadora da Cultura de Lisboa, Catarina Vaz Pinto, e sobretudo com o vereador do urbanismo, Manuel Salgado, havendo responsáveis técnicos do município destacados para acompanhar o projecto. Tudo isto depois de o próprio António Lamas ter falado com António Costa quando este ainda era presidente da câmara de Lisboa, já que queria que o projecto para Belém-Ajuda não fosse desenvolvido como sendo do anterior governo ou partidarizado.
António Lamas tem uma personalidade forte e não é do estilo bajulador, mas tudo o que sei sobre a Ajuda-Belém indicava que estávamos perante o homem certo para o projecto de que o conjunto monumental daquela zona da cidade necessita.
Aqui chegado verifico que me estendi um pouco. Mas o necessário, creio, para se perceber melhor a forma grosseira e autoritária utilizada pelo ministro da Cultura, João Soares, para o demitir. Usando um pretexto falso – o alegado desconhecimento da Câmara do que estaria em curso – tratou de impor o seu “posso, quero e mando” sem se coibir de enxovalhar e apoucar um servidor da causa pública e da cultura como muitas e valiosas provas dadas.
Tem o ministro um projecto alternativo? Não se conhece. Elaborou o ministro um só crítica substantiva ao conteúdo do projecto? Se o fez, foi só para ele.
Ou seja, em nenhum momento a perseguição a António Lamas foi outra coisa senão uma perseguição pessoal, ad hominem, sem sustentação, apenas justificável por o seu projecto lhe poder dar um protagonismo que fizesse sombra ao autor de romances eróticos que, para nossa desgraça, é hoje o responsável máximo do Ministério da Cultura. A ele ou a Fernando Medina, que também teve um comportamento lamentável neste processo, sobretudo quando tinha vereadores e técnicos a par do que se estava a projectar para a zona monumental de Belém e da Ajuda.
Já sabíamos que este era e é um país pequenino e de capelinhas, onde quem pensa com um pouco mais de ambição e já deu provar de ser capaz de transformar as boas ideias em melhores realizações nunca merece aplauso, mais depressa suscita invejas. Não duvido que naquelas casas todas que citei atrás deve haver muitos directores e directorzinhos que, fechados nas suas conchas, queixando-se eternamente de falta de verbas, protegem o seu reduto e desconfiam da ambição. Sempre houve, pelos visto sempre haverá.
Sem um chavo para mandar cantar um cego, sem uma ideia séria para a cultura que vá para além da analfabeta obsessão com os Mirós, João Soares voltou a mostrar que há um terreno onde dificilmente é ultrapassado: o da grosseria.
Desta vez nem se incomodou muito com explicações. Limitou-se ao quero, posso e mando. Um quero, posso e mando que foi mesmo além do que é habitual nos nossos socialistas – este foi o quero, posso e mando de quem se chama Soares. João Soares.
PS. O mundo da cultura, tão fervilhante no tempo das indignações à mínima unha encravada, está estranhamente silencioso. Infelizmente não é nada que me surpreenda.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos