terça-feira, 1 de novembro de 2016

Papa termina viagem à Suécia com elogio à santidade

AGÊNCIA ECCLESIA    01.11.2016
O Papa concluiu esta terça-feira a sua primeira visita à Suécia com uma Missa para a comunidade católica, na solenidade de Todos os Santos, elogiando a santidade de quem se entrega aos outros.
"Animo-vos a viver a vossa fé na oração, nos Sacramentos e no serviço generoso a quem passa necessidade e sofre. Encorajo-vos a ser sal e luz, nas circunstâncias concretas onde viveis, com o vosso modo de ser e agir segundo o estilo de Jesus e com grande respeito e solidariedade para com os irmãos e irmãs doutras Igrejas e Comunidades cristãs e todas as pessoas de boa vontade”, disse, no final desta Eucaristia.
Francisco presidiu à celebração no Estádio Swedbank de Malmo, perante várias delegações ecuménicas e responsáveis políticos.
A homilia centrou-se no sentido da solenidade de Todos os Santos, que evoca os que “viveram a sua vida cristã na plenitude da fé e do amor através duma existência simples e reservada”, sem terem sido canonizados oficialmente pela Igreja Católica.
“Celebramos, pois, a festa da santidade. Aquela santidade que, às vezes, não se manifeste em grandes obras nem em sucessos extraordinários, mas que sabe viver, fiel e diariamente, as exigências do Baptismo. Uma santidade feita de amor a Deus e aos irmãos”, precisou.
Francisco apresentou a felicidade como principal caratecrística de quem é santo, ligando-a à vivência das “bem-aventuranças”, as marcas distintivas da vida cristã.
O Papa evocou as figuras de duas santas suecas, Maria Elisabete Hesselblad, recentemente canonizada, e Santa Brígida, Brigitta Vadstena, co-padroeira da Europa.
Após a comemoração conjunta do quinto centenário da reforma protestante, esta segunda-feira, o pontífice argentino rezou pelo “diálogo em busca da plena comunhão de todos os cristãos.
“Que sejamos abençoados nos nossos esforços e alcancemos a santidade na unidade”, desejou.
Francisco iniciou esta segunda-feira uma viagem ecuménica à Suécia, pela comemoração católico-luterana dos 500 anos da reforma protestante, tendo assinado uma declaração comum com o presidente da Federação Luterana Mundial.
Enviar um comentário